21/11/2013

Na Biblioteca Nacional

O encantamento dos livros iluminados levou-me à exposição Livros de Horas: o imagnário da devoção privada, patente na Biblioteca Nacional de Portugal. Uma sugestão que aqui deixo e que poderá visitar até ao dia 16 de Fevereiro.

Livro de Horas: Virgem do Leite

Os Livros de Horas são livros de devoção cristã para leigos com orações indicadas para diferentes momentos do dia. Estes livros foram criados para facilitar a comunhão com Deus e os santos sem a intervenção direta do clero (devoção privada). Contêm uma coleção de textos, orações e salmos, acompanhado de ilustrações apropriadas. Junto com as seleções dos salmos, eles normalmente incluem um calendário de grandes festas e dias santos, seleções dos Evangelhos e orações para os mortos.  Deste modo, o Livro de Horas servia como conteúdo de leitura litúrgica para determinados horários do dia. Encontram-se entre os manuscritos medievais mais belos e ricamente ilustrados. Enquanto alguns famosos são bastante grandes, a maioria é relativamente pequena para permitir que o proprietário os transportasse facilmente.

O imaginário dos Livros de Horas combina imagens sagradas, 
com evocações do quotidiano medieval e do mundo natural. 
Flores, frutos e animais reais e imaginários ocupam as iniciais 
ou deslizam pelas margens em explosões de cor e criatividade. 
Como um espelho, o Livro de Horas é um reflexo do seu encomendador 
 e uma extraordinária fonte de conhecimento e arte. 

Autor Frei Carlos, Oficina do Espinheiro, 1518 a 1525 *


Reprodução do MNAA. Pintura a óleo e tempera sobre madeira de carvalho, 30 x 22 cm. Proveniência Mosteiro do Espinheiro (Évora). Mosteiro de Santa Maria de Belém (Lisboa).

15 comentários:

  1. Formidável, Ana !

    Agora vou ouvir a música !

    Até já.

    ResponderEliminar
  2. Tive a sensação que esta cantata de Bach era de tempo de Paixão...

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  3. O quadro, o livro, o fundo sonoro, tudo sublime.
    Típico da ana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que encanto!
    Não me importava de ter um...:))
    Estes livros são belíssimos!!
    A Ana veio maravilhada com o que viu...
    Tal como o Pedro Coimbra escreveu, tudo sublime.

    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar
  5. João,
    É de facto da Paixão, mas era a música que estava a ouvir. Talvez fizesse mais sentido um Gloria...
    Beijinho. :))

    Pedro,
    Obrigada. Um bom fim de semana.
    Beijinho.:))

    Cláudia,
    Obrigada. Vim maravilhada, sim.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  6. Gosto muito de Livros de Horas e de iluminuras. Tenho de ir ver a exposição. Bjns!

    ResponderEliminar
  7. Bach e Vivaldi, apesar de duas escolas e musicalidades diferentes, são dos compositores que não me cansa ouvir, por vezes até à exaustão, o que não é de admirar sendo eu um admirador incondicional da música do século XVIII.
    Quanto à iluminura, ainda bem que me deixou aqui esta notícia, pois ainda me sinto muito "combalido" e até algo penalizado porque, em Guadalupe, não me foi permitido observar/admirar com o tempo e cuidado necessários os fantásticos livros miniados, alguns deliciosamente iluminados, que aquele mosteiro possui em quantidade e qualidade.
    Poderei desforrar-me!
    Manel

    ResponderEliminar
  8. Olá, Ana!

    Não quero perder a exposição, nem pensar!
    Tenho um fascínio muito particular pela Iluminura, logo...

    Obrigada pelo alerta.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  9. Sempre gostei da imagem da virgem, sendo ela a senhora das horas.

    mulher forte.

    bjs muitos

    ResponderEliminar
  10. Ana,
    De postagem em postagem, quase sempre simbólica, mais se consolida a ideia: a harmonia é questão fundamental nas suas cogitações. A busca é enorme, e a Ana sabe-o, mas insiste sempre. Talvez, na minha opinião, demasiado condicionada pela visão ocidental, mas uma busca genuína, sem qualquer dúvida. E admiro-a.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  11. Manuel,
    Obrigada pela sua visita. Partilho o gosto por Bach e Vivaldi.
    Também, o Manuel, me despertou o interesse em visitar o mosteiro de Guadalupe.
    Estou convicta que vai gostar da exposição da BN.
    Boa noite. :))

    MR,
    Obrigada pela visita. :))
    Beijinho.

    GL,
    Vai gostar de certeza. Boa visita à BN.
    Beijinho. :))

    Obrigada, Mar Arável.
    Beijinho. :))

    Amigas Vurdóns,
    Obrigada. Maria fascina sempre.
    Beijinhos para todas. :))

    AC,
    Muito obrigada pelas suas palavras. Sem dúvida, o Ocidente impõe-se, mas procurando nos nossos ancestrais há sempre um pouco do Oriente.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar

Arquivo