18/08/2018

Fotografia no dia mundial da fotografia

A  preto e branco para prestar homenagem a todos os fotógrafos do passado que contribuíram para que o dia 19 fosse o dia Mundial da Fotografia.
Sou apenas uma curiosa e gosto de tentar olhar as coisas de forma diferente, "if I could have"!


E para assinalar o dia 19 de Agosto- Dia Mundial da Fotografia, 
deixo um filme que estreou em 2008, baseado na história real de Maria Larsson, a primeira e uma das maiores fotógrafas suecas, que vivia em Gotemburgo no início de 1900. O filme foi dirigido por Jan Troell, com Maria Heiskanen e Mikael Persbrandt.

Kazuo Ishiguro para a Isabel

Para a Isabel, com o desejo de um dia muito feliz!

Parabéns!

O jardim tem uma aspecto natural, espontâneo; ninguém diria ter sido planeado.

Kazuo Ishiguro, Um Artista do Mundo Flutuante. Lisboa: Gradiva, 2018, p.43.


Este jardim tem mar...
Dizem que: o que não é planeado é melhor, mas no fundo há algo sempre planificado. :))

Claude Monet, Jardim de Sainte-Adresse, 1867, 
The Metropolitan Museum of Art ( nº 67.241)
Garden at Sainte-Adresse, Claude Monet (French, Paris 1840–1926 Giverny), Oil on canvas

Polina, um filme que esteve no Festival de Veneza em 2016, é de  Angelin Preljocaj e  Valérie Müller.

O título em francês é Polina, danser sa vie.

16/08/2018

In Memoriam - Aretha Franklin

Homenagem a uma Senhora com uma voz maravilhosa. 
Algumas escolhas. Falta aqui uma que também, adoro -
 "You Make Me Feel (Like A Natural Woman)"




Aretha Franklin, 1942-2018
(...)
Baby, baby, baby, this is just to say
How much I'm gonna miss you,
But believe, while I'm away...
That I didn't mean to hurt you
Don't you know that I'd rather hurt myself?
(I'd hurt myself, I'd hurt myself...)
(...)


11/08/2018

Moldura de Verão, Leituras de Verão III - John Dunning

Uma grade pouco fechada em frente ao rio



«Naqueles primeiros anos do Internet, colei um epigrama na minha secretária: Um  livro é um espelho. Se um burro se mira, não é um apóstolo que se reflecte. A frase foi escrita há dois séculos por um espirituoso alemão chamado Lichtenberg, mas suponho que se aplica muito bem, hoje em dia. ao ecrã de um computador.» [Cliff Janeway, livreiro]

John Dunning, A Promessa do Livreiro. (Tradução: Fernanda Semedo). Lisboa. Editorial Estampa,2007, p.61

John Dunning foi vencedor do prémio  Nero Wolfe para literatura policial. Estou a gostar bastante deste detetive livreiro que procura livros raros de Richard Burton.

04/08/2018

Azul e branco - Uma porta...

Luz e sombra em tons de azul


ALGA

Paira na noite calma
O silêncio da brisa...
Acontece-me à alma
Qualquer coisa imprecisa...


Uma porta entreaberta...
Um sorriso em descrença...
Uma ânsia que não acerta
Com aquilo em que pensa.

Sonha, duvida, elevo-a
Até quem me suponho
E a sua voz de névoa
Roça pelo meu sonho...


24-7-1916


Fernando Pessoa, Novas Poesias Inéditas. (Direcção, recolha e notas de Maria do Rosário Marques Sabino e Adelaide Maria Monteiro Sereno.) Lisboa: Ática, 1973 (4ª ed. 1993), p. 31.


29/07/2018

Moldura de Verão- Leituras de Verão II - Kazuo Ishiguro

Um Verão com um começo nipónico, Ishiguro segue-se a Mishima. Gostei do romance com sabor histórico.

O romancista Kazuo Ishiguro na sua casa, em Londres, logo após o anúncio do Nobel - Alastair Grant / AP Fotografia tirada daqui

 O romancista Kazuo Ishiguro em uma coletiva de imprensa em sua casa, em Londres, logo após o anúncio do Nobel Foto: Alastair Grant / APResultado de imagem para um artista do mundo flutuante

Imagem do livro retirada da net da Wook

A preocupação de um artista é captar a beleza onde quer que a encontre. Mas, por mais hábil que seja, terá sempre muito pouca influência no tipo de questões que falas*. De facto, se a Okada-Shingen é a tal como a descreves, então parece-me que estás equivocada nos seus propósitos. Parece fundar-se em expectativas ingénuas sobre o poder da arte.

Kazuo Ishiguro. Um Artista do Mundo Flutuante. (Trad. Rui Pires Cabral). Lisboa: Gradiva, 2018, p. 207, (1ª ed. em Portugal 2018, título de 1986).

*[poder político/lutar conta a pobreza]


27/07/2018

Sobreviver... nadar...

Sobreviver



Sea Sorrow, 2017, documentário dirigido por Vanessa Redgrave, foca a crise actual dos migrantes e faz um paralelismo com a angustiante vida dos que migraram por causa dos horrores da guerra ao longo dos tempos. Mais, enuncia os Direitos do Homem, algo que no século XXI ainda não se conseguiu atingir.

Um documentário que vi recentemente na íntegra e que aconselho a verem.

21/07/2018

Moldura de Verão, leituras de Verão -Yiuko Mishima

Leituras de Verão - comecei as leituras de Verão com um livro de contos de Mishima no qual desvenda a alma humana e a dificuldade em lidar com a dor de uma grande perda. É um livro profundo e bonito.

A vida humana é finita mas eu gostaria de viver para sempre”, escreveu Mishima na manhã antes da sua morte, citação retirada do The Guardian. 
Mishima suicidou-se segundo o ritual seppuku, conhecido no ocidente por haraquíri (1970).





La mort… nous affecte plus profondément 
sous le règne pompeux de l’été.
Baudelaire
 Les Paradis Artificiels

"A praia de A., próxima da extremidade sul da península de Izu, ainda está intacta. Lá pode‑se tomar banho. É certo que o fundo do mar é desigual e cheio de calhaus e que as ondas são fortes, mas a água é limpa e a terra entra pelo mar num suave declive, tendo no conjunto excelentes condições para se nadar. Sobretudo por estar afastada, a praia de A. não sofre nem do barulho nem da sujidade das estâncias balneares mais próximas de Tóquio. Fica a duas horas de autocarro de Itō.
(...)
As crianças cansaram‑se do castelo de areia. Desataram a correr para que a água jorrasse das poças à beira das ondas. Acordada do pequeno e tranquilo universo pessoal para o qual tinha resvalado, Yasue correu atrás delas. 
Mas não estavam a fazer nada que fosse perigoso. Tinham medo do bramido das ondas. Havia um pequeno redemoinho para lá da rebentação. Kiyoo e Keiko de mão dada, com água até à cintura e os olhos brilhantes, faziam frente à água, sentindo a areia mexer debaixo dos pés nus. 
— Parece que alguém nos está a puxar — disse Kiyoo à irmã. 
Yasue aproximou‑se deles e proibiu‑os de irem mais longe. Mostrou‑lhes Katsuo, não o deviam deixar sozinho, deviam ir brincar com ele. Mas não lhe prestaram atenção. Estavam de pé, de mãos dadas, felizes, e olhavam‑se sorrindo. Tinham um segredo: a areia que sentiam mexer debaixo dos pés."

Yiuko Mishima, Morte em Pleno Verão. Torres Vedras:Editorial Estampa, dezembro de 2006 p.11 e 12.

15/07/2018

Homenagem a Myra!

In memoriam:
A Myra agradeço a arte e a sensibilidade.
Até sempre!

Myra Landau, Derrota dos Pesadelos

"envelhecem apenas os que não olham e não escutam 
o caminhar de anos se veste de sonhos 
é a derrota dos pesadelos". 
Myra Landau 


29/06/2018

Claro/ escuro

Claro/escuro de dentro para fora

(...)

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.
Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada,
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.
Outras vezes oiço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.

(...)



7-11-1915
“Poemas Inconjuntos”. In Poemas de Alberto Caeiro. Fernando Pessoa. (Nota explicativa e notas de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1946 (10ª ed. 1993). p. 83.



Larghetto & Andante Molto Ah, ch'infelice sempre Me vuol Dorilla ingrata, Ah sempre piú spietata, Mi stringe à lagrimar. Per me non v'è ristoro Per me non v'è speme. E il fier martoro e le mie pene Solo la morte può consolar. Counter-tenor: Andreas Scholl Ensemble 415 dir.: Chiara Banchini http://www.harmoniamundi.com/home?vie... Painting: Portrait of a Young Girl by Pietro Antonio Rotari

22/05/2018

Homenagem a Júlio Pomar e a António Arnaut

A minha escolha para homenagear Pomar recaiu na ilustração de D. Quixote de la Mancha... talvez porque há pouco tempo esta obra esteve presente numa discussão.

Esta imagem foi retirada da  Biblioteca Nacional Digital. Fez parte de uma exposição que infelizmente não visitei, Ilustradores de Dom Quixote, realizada para comemorar o IV centenário da publicação de Don Quijote de la Mancha, obra editada, em 1605, em Madrid e, logo a seguir, ainda no mesmo ano, em Lisboa. A Biblioteca Nacional associou-se à comemoração da efeméride com a exposição: ver aqui.
Júlio Pomar, Ilustração
Resultado de imagem para d quixote  pomar

Mudar o mundo, meu amigo Sancho, não é loucura, não é utopia, é justiça!
Cervantes, D. Quixote de La Mancha
https://www.mensagenscomamor.com/trechos-dom-quixote



A António Arnaut

Se Penso, Existo

Se penso, existo; se falo, existo para os outros, com os outros. 
A necessidade é o lugar do encontro. Procuro os outros para me lembrar que existo. E existo, porque os outros me reconhecem como seu igual. Por isso, a minha vida é parte de outras vidas, como um sorriso é parte de uma alegria breve.
Breve é a vida e o seu rasto. A posteridade é apenas a memória acesa de uma vela efémera. Para que a memória não se apague, temos que nos dar uns aos outros, como elos de uma corrente ou pedras de uma catedral.
A necessidade de sobrevivência é o pão da fraternidade.
O futuro é uma construção colectiva.


António Arnaut, in 'As Noites Afluentes' 
( Retirado do citador)


Para o pai do SNS (Serviço Nacional de Saúde), o Dr. António Arnaut, que ouvi algumas vezes em palestras, deixo este Requiem.




Aproveito para agradecer a todos a Vossa presença amiga.

19/05/2018

Estou...sim...

A faina está quase a começar...



Em memória de Maio de 68  ( Paris, 18 de Maio, revolta de estudantes universitários, pela mudança, pelo amor e a paz.) 

05/05/2018

Nice, 2015

Nice, 2015

O livro que comecei a ler compreende uma viagem a Roma, a Brasília, à Sicília, à Cróacia e o regresso. Comprei-o por causa do tema e do título: Não se Encontra o que se Procura. O livro é de Miguel Sousa Tavares. Andei uns tempos zangada com este escritor mas gostei deste título...

Se pudesse ter uma vida paralela, gostaria de ter a vida de um caracol, carregando comigo a casa e plantando-a onde houvesse sol e silêncio, onde houvesse mar e espaço, onde houvesse tempo e distância.
Onde houvesse essa improvável e louca hipótese de ser feliz fora do mundo.

( na badana do livro)

Miguel Sousa Tavares,  Não se Encontra o que se Procura. Clube do Autor, SA, 2014.

A fotografia é um nonsense, mas é o Velho Mundo a contrapôr-se ao Novo Mundo...

Desejava ir a Sorrento...

Boa noite!

03/05/2018

Para uma amiga

Para a Gracinha, com um grande beijinho de Parabéns e o desejo
de um resto de um dia feliz!


Gostas do tapete de margaridas?



28/04/2018

De onde é quase o horizonte


De onde é quase o horizonte

De onde é quase o horizonte
Sobe uma névoa ligeira
E afaga o pequeno monte
Que pára na dianteira.

E com braços de farrapo
Quase invisíveis e frios
Faz cair seu ser de trapo
Sobre os contornos macios.


Um pouco de alto medito
A névoa só com a ver.
A vida? Não acredito.
A crença? Não sei viver.

4-3-1931


. Fernando Pessoa, Poesias. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995), p.133.


24/04/2018

Balada para um amigo

Para o Manuel Poppe, com o desejo que este dia seja um dia muito claro e feliz.

Parabéns!

Uma janela aberta, embore ande escondida.


Traz Outro Amigo Também

Amigo

Maior que o pensamento
Por essa estrada amigo vem
Por essa estrada amigo vem
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também
Não percas tempo que o vento
É meu amigo também

Em terras
Em todas as fronteiras
Seja bem vindo quem vier por bem
Se alguém houver que não queira
Trá-lo contigo também

Aqueles
Aqueles que ficaram
(Em toda a parte todo o mundo tem)
Em sonhos me visitaram
Traz outro amigo também


21/04/2018

o sol - flor- tem várias texturas

girassol

- Não gosto deste jogo.
- Não interessa, Zofia.
-Quero ser a Selma.
- Temos de estar sempre a jogar este jogo ou vai acontecer-nos algo muito mau.
- Porquê? Porque é que toda a gente nos quer fazer mal?
- Explicar-te-ei quando fores mais cresdida, Zofia.
Mas agora querem fazer mal às pessoas que se chamam Schwarzwald e Litwak e por isso nunca mais dizes esses nomes.

R. D. Rosen, Memórias do Silêncio: As vidas das crianças que sobreviveram escondidas ao Holocausto. ( Trad. Pedro Garcia Rosado). Amadora 20/20 Editora, 2014, trecho retirado da badana da contracapa do livro.

[Uma das últimas leituras que me surpreendeu. Os testemunhos dos 3 casos visados vêm documentados com bibliografia]

14/04/2018

Desta Primavera envergonhada...

Um conjunto de  flores - 3 vasos


Flores amo, não busco. Se aparecem

Flores amo, não busco. Se aparecem
Me agrado ledo, que há em buscar prazeres
O desprazer da busca.
A vida seja como o sol, que é dado,
Nem arranquemos flores, que, arrancadas
Não são nossas, mas mortas.

16-6-1932

Ricardo Reis, Poemas.(Edição Crítica de Luiz Fagundes Duarte.) Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1994, p. 163.

24/03/2018

Desordem

Desordem


A todos devo uma resposta que não tem sido dada pelo excesso de trabalho, a tal desordem...

Bom fim-de-semana!


Viva a Primavera que chegou ainda envergonhada.

10/03/2018

" ... ao Sol"

Que saudades do sol!


As coisas nítidas confortam, e as coisas ao sol confortam.

As coisas nítidas confortam, e as coisas ao sol confortam. Ver passar a vida sob um dia azul compensa-me de muito. Esqueço indefinidamente, esqueço mais do que podia lembrar. O meu coração translúcido e aéreo penetra-se da suficiência das coisas, e olhar basta-me carinhosamente. Nunca eu fui outra coisa que uma visão incorpórea, despida de toda a alma salvo um vago ar que passou e que via.

s.d.


Bernardo Soares, Livro do Desassossego por  Vol.II.  (Recolha e transcrição dos textos de Maria Aliete Galhoz e Teresa Sobral Cunha. Prefácio e Organização de Jacinto do Prado Coelho.) Lisboa: Ática, 1982, p. 266.

07/03/2018

Notas de Viagem para uma amiga

Parabéns MR!
Desejo que tenha um dia feliz.



MR, sei que gosta de livros de viagens e de viajar. Aqui fica um trecho do livro que ando a ler: Egipto, Notas de Viagem, de Eça de Queirós. (Optei por transcrever com o português da época por achar engraçado.)

Quando a tarde cahía, fomos vêr a columna de Pompeu. É uma alta columna grega, de granito rosado, que se ergue sobre uma colina d'areia. Foi elevada em honra de Diocleciano por um Prefeito do Egypto.
Alli, n'aquella solidão, tem uma melancholia altiva e cheia de passado. Ao pé, negreja uma estátua de granito do tempo de Ramsés, meia enterrada na areia,coberta de immundicies.

Eça de Queiroz, O Egipto, Notas de Viagem. Porto: Lello & Irmão, 1945 (4ª Edição) p.42


02/03/2018

Leite com café

Uma cozinha nostálgica mas com luz




Leite com café

Sou garoto curioso,
e pra bem me instruir,
o que me é misterioso,
tento logo descobrir.

Sem certeza ou sem fé,
indago desde pequeno:
se a vaca bebesse café,
o leite seria moreno?

Maria da Graça Almeida daqui


24/02/2018

Tecnologia versus Humanidade

Tecnologia versus Humanidade, é um velho debate, um debate intemporal, chegou-me através de um marcador. Porém, é a realidade que nos cerca, a inteligência que nos toca, mas nada chega para  apagar a beleza da rosa.

Tecnologia versus Humanidade, o Robot e a Rosa


Estou cansado da inteligência.

Estou cansado da inteligência.
Pensar faz mal às emoções.
Uma grande reacção aparece.
Chora-se de repente, e todas as tias mortas fazem chá de novo
Na casa antiga da quinta velha.
Pára. meu coração!
Sossega, minha esperança factícia!
Quem me dera nunca ter sido senão o menino que fui...
Meu sono bom porque tinha simplesmente sono e não ideias que esquecer!
Meu horizonte de quintal e praia!
Meu fim antes do princípio!
Estou cansado da inteligência.
Se ao menos com ela se percebesse qualquer coisa!
Mas só percebo um cansaço no fundo, como baixam internas
Aquelas coisas que o vinho tem e amodorram o vinho.


18-6-1930

Álvaro de Campos, Livro de Versos  (Edição crítica. Introdução, transcrição, organização e notas de Teresa Rita Lopes.) Lisboa: Estampa, 1993, p. 125.


17/02/2018

O Cavaleiro da Rosa



O Cavaleiro da Rosa de Richard Strauss, Acto II. Libreto de Hugo von Hofmannsthal
Angelika Kirchschlager (Octaviano) e Miah Persson (Sofia).

Arquivo