03/07/2015

"Moral da história"

Myra Landau, Alucinação
 [Cavaleiro, intitulado por mim]
Poema do fecho "éclair"


Filipe II tinha um colar de oiro
tinha um colar de oiro com pedras rubis.
Cingia a cintura com cinto de coiro,
com fivela de oiro,
olho de perdiz.


Comia num prato
de prata lavrada
girafa trufada,
rissóis de serpente.
O copo era um gomo
que em flor desabrocha,
de cristal de rocha
do mais transparente.

Andava nas salas
forradas de Arrás,
com panos por cima,
pela frente e por trás.
Tapetes flamengos,
combates de galos,
alões e podengos,
falcões e cavalos.

Dormia na cama
de prata maciça
com dossel de lhama
de franja roliça.
Na mesa do canto
vermelho damasco
a tíbia de um santo
guardada num frasco.

Foi dono da Terra,
foi senhor do Mundo,
nada lhe faltava,
Filipe Segundo.

Tinha oiro e prata,
pedras nunca vistas,
safira, topázios,
rubis, ametistas.
Tinha tudo, tudo
sem peso nem conta,
bragas de veludo,
peliças de lontra.
Um homem tão grande
tem tudo o que quer.

O que ele não tinha
era um fecho éclair.*


Moral da história: tenho o fecho, falta-me o Filipe. (p. 168)

*António Gedeão, "Poesias completas".[Lisboa: Sá da Costa, 1996] in Rita Ferro, Só se Morre uma Vez, Diário 2. Lisboa: D. Quixote, 2015, pp. 166-168.


Para o povo grego, com quem simpatizo, dedico The Fairy Queen e  [o Cavaleiro] a Alucinação de Myra: 
para que a consciência de um povo com passado glorioso: triunfe. 
A coragem, a atitude e o desafio ao paradigma financeiro da Europa actual merecem o meu aplauso.


Nota: tenho-me como pessoa de boas contas.

16 comentários:

  1. O problema é a tremenda injustiça no sistema: quem tem que pagar, normalmente não é quem contraiu a dívida -- ou fugiu com o dinheiro. Pergunto-me, a quem defende que a solução é mais austeridade, o que se pretende fazer com um país onde 28% da população já está desempregada. Chegar aos 50%? Que solução é esta?

    Uma excelente noite, cara ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xilre,
      Pertinente a sua questão. Vamos ver o curso da História.
      Bom fim-de-semana! :))

      Eliminar
  2. A ti, ANA, o Filipe não te faz falta nenhuma !

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João. :))
      Beijinho e bom fim-de-semana!

      Eliminar
  3. Vamos ver o que decide o povo grego neste domingo, ana.
    Pelos sinais que se vão recolhendo adivinha-se o fim do governo do Syriza.
    Seis meses depois de ter sido eleito.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      Esperemos para ver...:))
      Beijinho, Bom fim-de-semana!:))

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Também acho, Margarida. :))
      Beijinho e bom fim-de-semana!:))

      Eliminar
  5. O poema é engraçado e o trabalho da Myra é bonito

    Um beijinho e bom fim-de-semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Isabel,
      O trabalho da Myra é fantástico. :))
      Beijinho e bom fim-de-semana! :))

      Eliminar
  6. ~ É bem uma conclusão ao estilo da Rita Ferro...

    ~~~ Subscrevo os votos para o povo grego. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~~~ Beijinho. ~~~~~~~~~~~~~~~~
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      Realmente, é.:))
      Beijinho e bom fim-de-semana!:))

      Eliminar
  7. Belo jogo de contrastes e consequências a fecharem o poema então aberto à meditação.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela sua visita.
      Bom fim-de-semana! :))

      Eliminar
  8. Os gregos têm que ser de melhores contas, é verdade, mas não à custa da sua dignidade. Muito se joga ali, por estes dias, num tabuleiro de xadrez com mais personagens que o convencional.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  9. Desgraçadamente, quem tem a faca continuará a cortar a seu bel-prazer e a jogar na divisão dos povos e países. A Europa não existe.
    Gedeão, Myra, Purcell: a harmonia.

    ResponderEliminar

Arquivo