10/05/2015

O significado / liberdade

            A Miindo, 1825 daqui                (pintura coreana)               Miindo século XIX


"Nunca serás feliz se insistes em encontrar a felicidade,
Nunca viverás se procuras o significado da vida".

Albert Camus in, Iosif Landau, Memória Tumultuada 
(com a cortesia e amizade de Myra Landau)

O que sentiria a menina, desta história de caso de uma refugiada, sobre a citação de Camus?
Eu própria sinto que ela é a derrota dos sonhos...
A procura é o acto preciso de que somos vivos. Não quero entender este grito de Camus.


Temos o dever de partilhar para não esquecermos quão importante é a liberdade
e o respeito pelos direitos humanos.
Com um profundo agradecimento a Majo que me fez chegar o vídeo à mão.




19 comentários:

  1. A citação de Camus despoletou mil e uma ideias de argumentação, de escrita, mas temo que não seja a hora. Todo o ser tem o seu percurso e, perante a adversidade, a tela onde pinta a sua vida vai alternando as tonalidades. O que é natural. Também Camus pintou a sua tela, também Camus utilizou os tons de que dispunha. Naquele momento, naquele contexto, dispondo dos bilhetes que havia para comprar.

    Um beijinho, Ana! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AC,
      Nesse caso já foi positivo ela aparecer.
      Gosto de Camus mas quanto a esta citação, sei o que pretende afirmar, mesmo contextualizando. Todavia, prefiro não a entender. Talvez precise do seu texto para reflectir.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  2. ~ ~ ~ ~ ~ Resultou um 'post' com uma mensagem belíssima. ~ ~ ~ ~ ~

    ~ Normalmente, protestamos muito e esquecemos que parte do mundo
    vive subjugada por governantes tiranos, em países onde não se respeitam
    os mais elementares direitos humanos.

    ~ ~ ~ ~ Esquecemos que a liberdade é o mais precioso dos bens. ~ ~ ~ ~

    ~~~~~~~~~ Grande abraço amigo. ~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo.
      Graças a si procurei algo de belo que juntasse com a beleza da menina e da sua coragem.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  3. Recebi esse vídeo também, ana.
    Revoltante.
    Como comentei então, mostrem-no ao Bernardino, e aos outros Bernardinos deste Mundo, que ainda têm dúvidas acerca dos bárbaros Kim e da Coreia do Norte não ser uma democracia.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      Tem razão. Resta-nos denunciar.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Neste caso e em outros idênticos tem mesmo que ser.
      Boa tarde. :))

      Eliminar
  5. Gostei muito do teu blog.
    Respondi ao comentário que deixaste no PPP através de mail.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. M,
      Obrigada pela gentileza e sê bem-vinda. :))

      Eliminar
  6. Só agora me foi possível chegar aqui, Ana.
    O testemunho desta jovem é de arrepiar !
    Quantos milhões não existiriam, ou existirão, na Coreia do Norte e em tantos outros países tão do agrado de uns certos "democratas" cá da terra ?
    Fiquei tão emocionado com o vídeo que nem tenho forças para continuar.

    Um beijo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João, pela sua sensibilidade.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  7. E "Flow my tears", por Andrea Scholl, é de uma beleza fúnebre.
    Muito bem escolhida.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  8. Pois é, Agostinho.
    Boa noite. :))

    ResponderEliminar

Arquivo