25/05/2014

Apontamentos num dia em que Portugal e Espanha se encontram

Madrugava em Lisboa (dia 24 de Maio) e o som propagava-se em castelhano. Os rostos eram alegres, a multidão pululava em dia de festa. 
A festa não era só de nuestros hermanos, os portugueses são hábeis anfitriões receberam os "invasores" como bons vizinhos que somos.


Acompanhando os capitães de Abril espalhados pela cidade, cruzam-se os cidadãos perante o sol que gentilmente apareceu.

No Chiado, a feira do livro seguia a rotina de fim de semana. O regresso à infância espelha-se num dos livros adquiridos.


Na Bénard o ritual repete-se: o café e o scone são saboreados paulatinamente.

Ao almoço o encontro, a partilha, o riso, o silêncio... e o vinho alentejano de casta sublime. O Tejo hoje também Tajo não divide mas une.
 Lembranças 

As Origens
Não faz hoje sentido falar  de uma unidade do território português baseado em condições naturais ou de uma individualidade geográfica de Portugal dentro do conjunto da Península Ibérica.
Na verdade, o Minho continua a Galiza tanto na orografia e no clima como nas formas de exploração do solo. Trás-os Montes e o norte da Beira prolongam a meseta Ibérica. A Cordilheira Central (Serra da Estrela, etc.) separa o Norte e o Sul de Portugal assim como separa o Norte e o Sul da vizinha Castela. A Beira Baixa e o Alentejo compartilham de condições que se encontram na Estremadura espanhola. E a província mais meridional do  País, o Algarve, não difere grandemente da Andaluzia litoral.  

A. H. de Oliveira Marques, Breve História de Portugal. Editorial Presença, 2012 (8ª edição), p. 11.

Os chocolates pereceram devido ao pecado da gula. 
A todos obrigada.




10 comentários:

  1. Nada mais adequado que uma folia, que foi de Portugal para Espanha, e daí para Itália (Corelli, pois claro). A universalidade a partir da nossa... dança. :)

    Boa noite, cara Ana :)

    ResponderEliminar
  2. Um lição de história no passeio pelo Chiado, coisas lindas e coisas boas e liberdade de escolha. Por fim, uma festa que até teve música.
    As pessoas até podem ser felizes. Que razões há para abrir trincheiras?

    ResponderEliminar
  3. Pois é, nuestros hermanos e lá vamos lado a lado...
    bjs

    ResponderEliminar

  4. Passo a passo, um passeio livre de fronteiras...

    Obrigada pela partilha.

    Lídia

    ResponderEliminar
  5. Adorei os livrinhos que compraste (na feira do livro, suponho...). Os das iluminuras devem ser lindos!

    Um beijinho e boa semana. Estamos na recta final!

    ResponderEliminar
  6. Passo para deixar um beijinho e votos de boa semana

    ResponderEliminar
  7. Adorei as "inanidades" da primeira parte do post. E as fotos também... E, claro, o pombo também está soberbo :)

    beijinho amigo

    ResponderEliminar
  8. Boa noite Xilre!:))

    Agostinho,
    Não há razão nenhuma. No entanto há sempre quem as escave.
    Boa noite. :))

    Maria João,
    Prossigamos nesta Europa cada vez mais estranha.
    Beijinho.:))

    Lídia,
    Obrigada pela sua passagem.
    Boa noite. :))

    Isabel,
    Os das iluminuras são catálogos que me ofereceram e são uma maravilha. :))
    Beijinho.

    MR,
    Boa noite e obrigada. :))

    Pedro,
    Obrigada uma semana feliz.
    Beijinho. :))

    Mar Arável,
    Pois é.
    Boa noite! :))

    Daniel,
    Obrigada. Boa noite!:))

    ResponderEliminar

Arquivo