26/01/2016

A estrela

Celebram-se os 100 anos do nascimento de Virgílio Ferreira no próximo dia 28 de Janeiro.
Antecipo-me na homenagem porque comecei a ler um conto do escritor para crianças, comprado na Bertrand neste Domingo de eleições.

Detalhe da ilustração de Júlio Resende 
(fotografia minha)


O conto intitula-se A Estrela e é ilustrado por Júlio Resende. É uma publicação bonita em tons de
azul. Do conto, disseram-me que era triste. Não sei, pois apenas li o princípio enquanto esperava pelo transporte, e começa assim...

Um dia, à meia-noite, ele viu-a. Era a estrela mais gira do céu, muito viva, e a essa hora passava mesmo por cima da torre. Como é que não a tinham roubado? Ele próprio, Pedro, que era um miúdo, se a quisesse empalmar, era só deitar-lhe a mão. Na realidade, não sabia bem para quê. Era bonita, no céu preto, gostava de a ter. Talvez depois a pusesse no quarto, talvez a trouxesse ao peito. E daí, se calhar, talvez a viesse dar à mãe para enfeitar o cabelo.Devia-lhe ficar bem no cabelo.

Vergílio Ferreira, A Estrela. Lisboa: Quetzal, 2009, p. 9.



12 comentários:

  1. Li este conto há algum tempo. Já não me recordo do desenvolvimento da história mas sei que é muito bonito. O Vergílio Ferreira é (continua a ser) um mestre da língua portuguesa.
    Bom gosto na escolha do tema musical que vem da terra do fogo e do gelo.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agostinho,
      Gosto muito de Vergílio Ferreira. O conto é triste e belo..
      Boa noite.:))

      Eliminar
  2. A ilustração do Resende deve ser muito antiga, talvez dos anos 50...
    Não li o conto, como fez o AGOSTINHO.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,
      A 1ª edição do livro é dos anos 80. Penso que a ilustração será por volta dessa data.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  3. Gostei muito da ilustração, mas não conheço o conto.
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sandra,
      O conto é bonito mas triste.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  4. Pois é, tem fim triste esse conto; o garoto morre mesmo. Bastante gostaria de poder ler o Conta-Corrente de Vergílio Ferreira. Ainda hei-de. Sou-lhe grata pela prosa que deixou e tanto aprecio.
    O vídeo também é bonito. Obrigada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Também aprecio muito a escrita dele, a profundidade. Voltarei a VF.
      Boa noite e obrigada.:))

      Eliminar
  5. Tenho este livrinho, que comprei há uns anitos.
    Vergílio Ferreira é um dos meus escritores preferidos.

    Um beijinho e ...boas leituras:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel,
      O que mais aprecio nele é a espiritualidade e profundidade da sua escrita.
      Beijinho grato.:))

      Eliminar
  6. Olá, Ana!
    A foto do menino a "empalmar" (é o termo usado) a estrela é bonita!
    Já analisei o conto, em turmas do básico, porque costumava vir nos manuais. O conto é triste, sim, mas as palavras de Vergílio Ferreira têm beleza e conteúdo. Um professor meu de Literatura, o que apresentou "Cores do Silêncio" costumava dizer que "A felicidade não importa à Literatura!"
    Belas músicas e vídeos que escolhes!
    Hoje estou triste.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Graça,
      Tive o prazer imenso de conhecer esse teu professor. Ele tem razão: "A felicidade não importa à Literatura!"
      Desejo que fiques bem.
      Um beijinho especial.:))

      Eliminar

Arquivo