29/01/2016

O Gesto

O gesto e a sombra


Só nos Pertence o Gesto que Fizemos

Só nos pertence o gesto que fizemos
não o fazê-lo como, iludida,
a divindade que em nós já trouxemos
supõe errada (e não) por convencida.

Porque o traçado nosso em breve cessa,
para que outro o recomece e não progrida;
que um gesto em ser gesto real se meça,
não está em nós fazê-lo, mas na Vida.

Assim o nada a sagra quando finda
porque o que é, só é o não ainda.


Vergílio Ferreira, in 'Conta-Corrente 1'

16 comentários:

  1. Bela homenagem no centenário do escritor.
    Ao som dos grandes Radiohead.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Pedro.
      Beijinho e boa semana. :))

      Eliminar
  2. Ana, magnífica a fotografia!
    Belas as palavras de Vergílio Ferreira.
    Há quanto tempo não ouvia esta música...
    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia.
      Gosto de pequenos detalhes.
      Ouvi esta música quando me deslocava para o trabalho. Já não a ouvia há algum tempo e bateu no fundo da alma.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Que belo, tudo - mas sobretudo a fotografia e o poema. Bjns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Margarida.
      Peço desculpa pela minha ausência.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. verdade, "o que é, só é o não ainda". Mas vivemos quase sempre como se sejamos eternos. E é bem que assim seja, porque, de certo ângulo, somos infinita efeméride.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      O VF era/ é,porque vive entre nós, um homem profundo.
      Boa noite. :))

      Eliminar
  5. O comboio passa
    mas no apeadeiro fica uma memória

    ResponderEliminar
  6. Vergílio Ferreira não é fácil...
    Gosto da foto e adoro esta música!
    Obrigada
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Graça,
      Não é. Contudo, atrai-me imenso.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  7. "O gesto e a sombra" !
    A Ana trouxe aqui um tema que merece uma reflexão profunda: a nossa condição humana animada do gesto divino e eterno .
    O casamento da fotografia com o poema é genial.
    Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho.
      Há algum cansaço, peço desculpa pela ausência.
      Beijinho. :))

      Eliminar

Arquivo