22/01/2016

De raiva por sonhar

e se non piangi, di che pianger suoli?
Se disso não,  chorar de que é que sóis?

Dante, Inferno, Canto XXXIII, 42., Dante Alighieri, A Divina Comédia Lisboa: Bertrand, 2006, p.159
(trad. Vasco Graça Moura e ilustr. de Júlio Pomar)

[E se não choras, do que costumas chorar?- outra tradução encontrada, só colocada porque achei a frase bonita, pois Vasco Graça Moura impõe mais segurança.]

Resposta a Dante

De raiva por sonhar
De raiva por construir castelos no ar
De raiva  por ingenuidade.
















20 comentários:

  1. Janis Joplin, nesta interpretação, arrepia.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
  2. Mais vale sonhar e chorar, do que o inverso. Pode ser que por vezes os sonhos se realizem. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Margarida. No entanto, nunca é quando nós gostaríamos.
      Julgo que o cansaço também promove que os sonhos se desfaçam.:))
      Beijinho.:))

      Eliminar
  3. Se os sonhos vão ficando por concretizar, podemos chorar, nem que seja interiormente! Mas não devemos deixar de sonhar!
    Pelo sonho é que vamos...
    Impossível será chorar, com uma fotografia como a da túlipa!

    Um beijinho, Ana.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia.
      A túlipa faz sorrir, sim. Sonhemos com isso.:))
      Beijinho.:))

      Eliminar
  4. Bom, a minha tradução foi muito igual à de Vasco Graça Moura, portanto, fico com a dele, que é como quem diz, com a minha.
    O desabafo não entendi, mas deve significar. Que a raiva passe e mais tulipas despontem.BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, VGM é um homem louvável nas letras e na tradução do italiano.
      Achei graça à outra frase mas os créditos são poucos. O desabafo está ligado ao cansaço, os sonhos ficam menos visíveis e parecem-nos mais remotos; isto é deixamos de acreditar.
      A tristeza toma conta de nós. BFS:))

      Eliminar
    2. Desejo-lhe um fim de semana descansado e sem pressas. Talvez, quem sabe, reponha a crença. Não sou grande apreciadora de citações, mas há uma vez para tudo. Escreve Torga num dos seus últimos diários "acredito que a vida é um absurdo maravilhoso e a morte um escândalo sem remissão". Acho de uma verdade inquebrável. E gostava de o ter escrito eu. Ora, ainda estamos no "absurdo maravilhoso".

      Bom Dia:)

      Eliminar
    3. Obrigada, Bea.
      Conhecia esta citação e teve sempre o condão de me encantar e de me alegrar.
      mil graças.:))
      Boa noite.:))

      Eliminar
  5. Nos jardins as flores humanizam os olhos lúcidos

    ResponderEliminar
  6. ABEA tem a sua tradução e o VGM também.
    Traduziram a ideia e não à letra. Daí darem mais consistência ao que lemos.

    Quanto à tulipa, vês como a colheste no teu jardim ?

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
  7. O choro (visível ou invisível) funciona como catarse, é a purificação dos seres sensíveis.
    Infelizmente concretizar sonhos não depende apenas de nós!
    Eu estou aqui <3
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei Gracinha.
      Muito obrigada.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  8. ~~~
    ~ Os dissabores tornam-nos sempre mais fortes.

    ~~~~ Beijinhos amigos. ~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  9. Andei a tentar ler a Divina Comédia numa edição velhinha, há uns tempos. Não estava na graça de Deus (como costumo dizer) naquela ocasião não sei se no inferno ou no purgatório: li-a, não em diagonal mas mais depressa, a atravessar. É surpreendente a densidade de Dante pelo sumo que se pode espremer dali.
    Já ouvi dizer que a tradução do VGM é magnífica. Poderei voltar a pegar-lhe e ir comendo às colheradas. Antes da apagar o candeeiro.

    ResponderEliminar
  10. Agostinho,
    É um dos meus livros preferidos.
    É beleza do início ao fim.
    Boa noite.:))

    ResponderEliminar

Arquivo