07/11/2016

Intensidade

intensidade
dilema
grau
tristeza
profundidade
desencontro
incenso que não arde,
velas derretidas em candelabro de prata.
Perfume perdido,
na impotência física
da porta em ruínas.
...Tristeza.

ana










14 comentários:

  1. Até a vida de uma cansada porta
    sem número
    é
    PROFUNDAMENTE
    TRISTE.

    Um beijo muito amigo.




    TRISTE

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))
      Esta porta está tristemente abandonada em Tomar.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Gosto muito desta ária e interpretação de Nakajima.:))

      Eliminar
  3. O que é a porta prata de um desencontro?
    Quando o "EU" é ouro com o seu encontro?
    Força!
    Simplesmente porque é Maior!

    ResponderEliminar
  4. O texto é belo, a fotografia também - mas espero que esteja tudo bem consigo! Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Margarida.
      Às vezes, ficamos tristes com o abandono do património. Esta porta está no centro de Tomar, junto ao rio.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  5. Também espero que esteja bem. E menos triste. Gosto desta ária mas não deixa de ser um lamento doloroso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Bea.
      Por vezes a tristeza é inevitável. :))
      Boa noite.

      Eliminar
  6. Espetacular, Ana :(
    Adorei a foto!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. São sentimentos que se fazem presentes no acto de olhar, mas que fazer perante a força avassaladora da natureza?
    Que ombros desistiram da ombreira da porta?
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma questão interessante.
      Beijinho.:))

      Eliminar

Arquivo