14/05/2016

Quando se vê a dobrar...


Sabem quantas pessoas tem havido desde o princípio do mundo até hoje? Duas. 
Desde o princípio do mundo até hoje não houve mais do que duas pessoas: uma chama-se a humanidade e a outra o indivíduo. 
Uma é toda a gente e a outra, uma pessoa só. Duas? Duas.
A mímica é uma arte só de gestos, e estes querem copiar os próprios gestos da vida. Entre o que a mímica desencantou na vida e veio depois imitar publicamente à luz artificial está o enigma do Pierrot, personagem cuja história é igual ao figurino. 
O Pierrot, todo branco, de roupas largas e quase sem feitio de vestirem um corpo humano, uma blusa pouco mais ou menos, umas calças pouco mais ou menos, e as mangas muito compridas não sabem o tamanho dos braços e passam para além das mãos, as quais não necessitam para nada de estar livres, porque o não são. Pois se não podem agarrar o que desejam! Tudo é branco, o fato como a própria cara, e a não ser o negro da calote e dos enormes botões fingidos que não servem para abotoar coisa alguma, nenhuma cor da realidade se digna a convencer-nos de que há efectivamente uma vida ali naquele retalho branco. 
E Arlequim? Com o seu maillot esticado por cima da pele, mostrando o feitio do corpo, a inquietação dos nervos, a impaciência dos músculos e o frenesim animal. O chapéu é de feltro negro mas posto com intenção. Anda sempre com uma espécie de bengala que é ao mesmo tempo o seu amigo inseparável e a sua varinha de condão, e serve também para experimentar a valentia de todas as coisas, isto é, se vão abaixo logo à primeira ou se é necessário puxar-lhe ainda com mais ganas. É difícil que Arlequim já alguma vez tenha passado despercebido em qualquer parte. 
O seu maillot é feito de trinta e sete mil pedaços de trinta e sete mil cores e que são precisamente as trinta e sete mil histórias de Arlequim, as quais todas juntas não chegam para fazer uma só. Pierrot anda sempre metido consigo e não é fácil saber quando está acordado ou a dormir. Pelo contrário, Arlequim não pára nem um momento, não pode estar quieto, e sem dúvida porque não anda satisfeito. Está sempre a magicar ideias e sempre com experimentações, e não são ideias o que falta ao Arlequim. 
Pierrot é a contemplação do próprio Desejo o qual se desenvolve, se purifica e torna-se Perfeição. É o ideal tornado Perfeição no próprio Desejo. Arlequim é a passagem autêntica do corpo por esta vida. 
Almada Negreiros, O Pierrot e o Arlequim. in Obra Completa, vol. VII, p. 51.

Será que Almada se importaria desta associação? Tiger Lillies/ Arlequim
 

22 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada, João.
      Era o que se andava a beber cá em casa. Gosto muito de vinhos alentejanos. Hoje ao jantar foi um Cartuxa EA.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  2. Interessante, o texto de Almada. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma peça de teatro. Gosto muito.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  3. Nunca li esta obra de Almada Negreiros!
    Interessante excerto!
    Um beijinho, Ana.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia,
      É uma peça de teatro e é muito bonita.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  4. ~~~
    Nunca aconteceu-me meditar seriamente sobre o perfil psicológico
    de Pierrot e Arlequim...

    Afinal,
    é a opinião de um esteta nato, das artes plásticas e das letras...

    ~~~ Beijinhos, Ana. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Almada era fantástico.
      Gosto imenso dos seus trabalhos quer na escrita quer nas artes.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  5. Lindo texto! Ele escrevia muito bem! Ver a dobrar...pode ser bom! mas pode ser um pesadelo ....
    Beijinhos Ana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João,
      Acho-o um génio. Uma vez por festa não deve fazer mal.:))
      Beijinho.:))

      Eliminar
  6. Ver em dobro não é natural. Mas quando se é Almada e escreve e pinta tão unicamente...é génio, não é visão dobrada. Quando muito, o génio desdobra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Era um génio. Um verdadeiro futurista.
      Boa semana!:))

      Eliminar
  7. Há coisas na vida que dão prazer, por exemplo, ver, ler, ouvir, falar, tocar... cheirar, beber!!!!
    A sedução do copo de saltos altos projectada sobre a mesa. Que distinção, que elegância!
    Penso. Almada decorreu perante um copo assim.
    Bom domingo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho.
      Julgo que Almada também devia apreciar o vinho alentejano, sim.
      Terá servido de inspiração.
      Boa semana. :))

      Eliminar
  8. Um Homem tão completo, o nosso Almada!
    Contudo, e tanto quanto me parece, tão ingrata e injustamente, já não digo totalmente esquecido mas, ainda assim tão pouco lembrado.
    Não esqueçamos os Grandes, se não queremos ficar mais pobres.

    Boa semana, Ana.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa semana, GL.
      Concordo totalmente.
      Beijinho.

      Eliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Arquivo