05/12/2015

O que tentam dizer as árvores





Árvores

O que tentam dizer as árvores
No seu silêncio lento e nos seus vagos rumores,
o sentido que têm no lugar onde estão,
a reverência, a ressonância, a transparência,
e os acentos claros e sombrios de uma frase aérea.
E as sombras e as folhas são a inocência de uma ideia
que entre a água e o espaço se tornou uma leve
integridade.
Sob o mágico sopro da luz são barcos transparentes.
Não sei se é o ar se é o sangue que brota dos seus
ramos.
Ouço a espuma finíssima das suas gargantas verdes.
Não estou, nunca estarei longe desta água pura
e destas lâmpadas antigas de obscuras ilhas.
Que pura serenidade da memória, que horizontes
em torno do poço silencioso! É um canto num sono
e o vento e a luz são o hálito de uma criança
que sobre um ramo de árvore abraça o mundo.


António Ramos Rosa, Cada árvore é um ser para ser em nós, 2002


27 comentários:

  1. E eu, cultivador de algumas árvores, me rendo à sensibilidade do poeta. Pelo que (pres)sente, pelo que ausculta, pelo que lhe escapa por entre sensações por descortinar...
    Louvo-lhe a pertinência, Ana!
    (A música ouço mais tarde)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AC,
      Obrigada. As árvores merecem tudo, não acha?
      Beijinho. :))

      Eliminar
  2. Os quilómetros e quilómetros de floresta que o poeta levanta em breves palavras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bea,
      É verdade, nem parei para pensar nisso.
      Obrigada. Boa noite. :))

      Eliminar
  3. A foto é lindíssima e o que dizer do poema? O nome do autor diz tudo.
    Gosto da poesia que reinventa a língua sem a esquecer...
    beijinhos, Ana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Graça. Ramos Rosa é especial mas nem toda a gente gosta dele.
      Aprecio-o.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  4. António Ramos Rosa foi um inultrapassável na Poesia e nos desenhos que fez !

    E tu, Ana, escolheste muito bem este das ÁRVORES para ilustrar essa paisagem que fotografaste ( onde noto uma certa dureza...).

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,
      Obrigada. Gostei desta, mas foi difícil escolher. Tenho andado atrapalhada com trabalho, nem partilho opiniões. :))
      Beijinho. :))

      Eliminar
  5. E uma canção que define bem a árvore na voz da Dominique Dimey e no coro que representa as folhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, João.
      Foi isso que achei. :)))))
      Beijinho.

      Eliminar
  6. ~~~
    ~ Que falta me fez esta bela e interessante canção,
    quando, com recentes sete aninhos, aproximei-me da professora sentada à secretária
    e, lavada em lágrimas, confessei-lhe que não sabia fazer a redação, porque não sabia
    escrever absolutamente nada sobre 'a árvore'.
    ~ Então, ela - com ar piedoso - deu-me uns tópicos: ''dão'' sombra, madeira, frutos...

    ~ Naquele tempo não se ensinavam a compor textos...
    ~ Ordenavam que as crianças fizessem uma redação subordinada a um título.
    ~ O meu sentido desgosto e espanto foram tão grandes que jamais esqueci.


    ~~~ Um Poema fantástico de Ramos Rosa, um dos nossos melhores.

    ~~~ Uma foto de rara beleza - um conjunto perfeito!

    ~~~~~~ Beijinho. ~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que giro Majo!
      Não me recordo de ter essa angústia. :))
      Talvez devido ao tema. Mas também me lembro que havia trabalhos que ficava intimidada, sem saber como começar.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  7. Comprei hoje o O ARAÍSO SEGUNDO LARS D. !
    Agora fica na lista de espera...
    Mas obrigado pela dica.
    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que goste, João.
      Estou a gostar mas não é fácil. :))
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  8. Tão distintas são as árvores

    que digam os pássaros

    Ramos Rosa sempre

    ResponderEliminar
  9. Belíssima visão da árvore, que guarda a vida em forma de verde e de vida. Bom final de semana, Ana.

    ResponderEliminar
  10. A fotografia denota um certo estado de alma de dúvida, de angústia.
    É assim que as árvores se sentem nesta época em que são despojadas do seu glorioso esplendor de Verão, para além de continuarem a ser, miseravelmente, tratadas pelo homem: decepadas, empedradas, enclausuradas, asfixiadas...
    Ramos-Rosa é inigualável. De sentidos agudamente apurados na subversão da anatomia da ordem apresenta-nos aos olhos as entranhas ocultas de ser árvore.
    A música ficará para servir ao deitar.
    Ó(p)tima semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho.
      A música foi escolhida para as árvores.
      Espero que goste. A semana já vai a meio, quase, mas desejo uma boa semana. :))

      Eliminar
  11. Lindo o poema e gostei muito da foto.

    Um beijinho e continuação de boa semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Isabel.
      Boa semana para ti. Esta tem sido terrível em trabalho e vai continuar. :))
      Beijinhos. :))

      Eliminar

Arquivo