29/12/2015

Da ilusão

O sofá em frente ao estúdio.


Ilusão - Definição:

Do latim illudere. Engano dos sentidos perante determinada aparência da realidade. A ilusão constitui-se pela afectação e consequente manipulação dos sentidos, de forma a velar e/ou deturpar a realidade.

Dicionário de Estética,  (org: Carchia, Gianni e outro, col, Lexis),  Lisboa: Edições 70, 2003.

A ilusão da realidade é parte integrante da consciência e é a consciência que não permite que essa mesma ilusão destrua a verdadeira noção de realidade.

Edgar Morin,   O cinema ou o homem imaginário. Lisboa: Relógio d’ Água, 1997.

Partindo da etimologia da palavra até à filosofia do termo, duma abordagem mais técnica para uma abordagem literária e sensorial, é esta última que escolho:  "Construímos estátuas de neve e choramos ao ver que derretem" (Walter Scott).

Mea culpa, cria-se a ilusão, a ideia do inexistente, como se o mundo pudesse ser feito de desejos e moldado segundo a nossa vontade. 
Assim, nos campos não faltariam flores, a Primavera seria eterna, a chuva só duraria uns minutos, o sorriso seria imenso e o choro limitado. Não haveria medo, apenas confiança, as mãos não estariam vazias mas repletas de júbilo. Enfim, as estátuas de neve não derreteriam...


23 comentários:

  1. És mesmo muito capaz, Ana !
    Consegues ligar circunstâncias diferentes e fazer parecer que é tudo a mesma coisa.
    O teu MEA CULPA é muito bem engendrado !

    Fico feliz por te ter bem no meio das minhas amizades.

    Um beijo e obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João pelas palavras queridas.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  2. Acho que nunca comentei aqui, mas esta Cultura (sem in) tem sido uma boa companhia, até musical.

    Grato Ana e Feliz 2016.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seja bem-vindo Luís Eme.
      Obrigada.
      Um Feliz 2016.:))

      Eliminar
  3. Penso como o João Menéres, que tens uma forma muito interessante de ligar as coisas.

    Gostei muito do post:)

    Um beijinho:)

    ResponderEliminar
  4. Da realidade há pouca fuga, acabamos por cair nela - não podemos sair senão através do sono ou da ilusão. Quando nos tritura em demasia - picado fininho - a ilusão afrouxa o garrote. Se não tenha outra utilidade, esta já serve.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Achei graça ao que disse.
      A realidade às vezes leva-nos à fuga para podermos resistir. :))
      Boa noite.

      Eliminar
  5. Como poderíamos viver sem a ilusão? É um binómio da condição humana que tem sede de absoluto e tanta insatisfação. Logo: Ilusão/Desilusão/Ilusão...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. É verdade, Ana. Mas julgo que por vezes precisamos dessa ilusão (sabendo que é uma ilusão) para ter confiança e esperar por melhores dias - porque há dias bons. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo inteiramente, Margarida.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  7. ~~~
    A ilusão a que te referes é um divertimento

    da nosso consciente, face à dura realidade...


    ~ Dias auspiciosos, plácidos e sonhadores...

    ~~~~~~ Beijinhos, Ana. ~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      Sim. Divertimento no sentido que faz divergir do caminho.
      Beijinho grato. :))

      Eliminar
  8. Faço minhas as palavras do João Menéres!
    Acrescento que "Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível para os olhos."
    Eu vejo-te com o coração, mas quando te vejo com os olhos, nem eles me atraiçoam, ainda bem que não és uma ilusão e te posso ter como minha amiga predileta!
    Beijo grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracinha,
      Obrigada pelas tuas palavras queridas. :))
      Às vezes tenho medo de não poder acompanhar as expectativas.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  9. Mais uma sinfonia posta preto no branco ou branco no preto pela Ana. Mas não se fica assim pela evidência do contraste cru do tema. Junta-lhe o arco-íris da cor para que das tintas primeiras não e eleve o nevoeiro cinzento das meias tintas e, assim, coloca a clareza e o brilho na ideia que transmite.
    Que seria de nos sem a ilusão? Para acabar, uma pergunta. Sabe, Ana, o que é um chato?
    É um desiludido.

    Bj e um bom Ano 2016.

    ResponderEliminar
  10. Damos passos, às vezes às cegas, mas sempre com o propósito de entendermos, de nos encontrarmos, de nos enquadrarmos de forma harmoniosa nesse delicado e grandioso milagre chamado vida...
    Mais uma excelente postagem, Ana!
    Ah, tenho esta música dos Rolling Stones em vinil. Pequenas preciosidades... :)

    Um Feliz 2016! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AC,
      Sim. é isso mesmo que afirma.
      Obrigada.
      Não tenho esta música em vinil mas tenho pena. Gosto muito dos Rolling Stones.
      Um Feliz 2016. Beijinho. :))

      Eliminar
  11. Tantas são as realidades

    Não matem as ilusões

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes elas têm de ruir...
      Bj e Feliz 2016. :))

      Eliminar

Arquivo