19/08/2016

Dia Mundial da Fotografia

"Muitas vezes, o punctum é um «pormenor», isto é, um objecto parcial. Assim, apresentar exemplos de punctum é, de certo modo, entregar-me."
Roland Barthes, A Câmara Clara. Lisboa: Edições 70, 2015, p. 52

Moledo, pormenor da praia em dia de nevoeiro 

A data ficou agendada mas acabei por me esquecer dela. O regresso ainda é lento, por isso, este registo em homenagem à fotografia só agora, 14:25 horas, ficou terminado com o texto de Roland Barthe.

16 comentários:

  1. Como eu gostava de saber fotografar, ana.
    Sou um trambolho :(
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      Treine, vai conseguir tirar boas fotografias, é uma questão de olhar.
      Depois de saber olhar é preciso aprender. Ainda estou a aprender.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  2. Gostei muito da fotografia, Ana.
    Continuação de boas férias:)

    Um beijinho:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel,
      Estava um dia tão nebuloso, não se via o Forte da Ínsua, nem o monte de Espanha que dá uma fotografia bonita, de forma que me debrucei sobre o pormenor das tendas que são diferentes das da Figueira da Foz.
      Vê só coloquei a data em agenda para fazer o post e depois esqueci-me. Hoje, de regresso ainda lento, reparei que só tinha o título e com um comentário. Achei que o Pedro merecia mais do que o título e que fui muito esquecida quando agendei há uns meses atrás a efeméride. !!!
      Já estou em casa e por isso volto lentamente à Internet.:))
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Gosto das suas fotos, Ana.
    Comecei a comentar o seu blogue para indicar-lhe
    o nome das flores belíssimas que tinha fotografado
    e não sabia o nome...
    Eram de murta.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo.
      Gosto muito da sua presença. :))
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. Magnifico o video que nos oferece sobre a questão do autor, na verdade, a partida de Rolland Barthes deixou um vazio na cultura impossível de preencher, (ele tinha decidido escrever o seu primeiro romance e estava a preparar uma Enciclopédia, escrita a duas mãos com o Philippe Sollers), o seu livro "A Câmara Clara" sobre a Arte da Fotografia é magnifico.
    Quando olhamos para uma fotografia, nela encontramos sempre as palavras que o fotografo decidiu escrever com o seu olhar, como sucede na bela foto da praia em Moledo, com o nevoeiro a invadir o areal.
    Muitas vezes uma imagem vale mil palavras.

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MR. Vertigo,
      Li com muito prazer "A Câmara Clara". Com esta efeméride só podia voltar a este livro, já focado aqui no blogue. É poderoso, para mim a fotografia é também um conceito e não só uma imagem.
      Boa semana e obrigada pelas suas visitas!:))

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Obrigada, Margarida.
      Beijinho com saudades. :))

      Eliminar
  6. Posso dizer que preferia não ver a sobreposição do muro sobre a base das duas primeiras barracas.
    Tudo o resto,PERFEITO, como sempre.

    Um beijo muito amigo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,
      Achei que o muro era uma fronteira. Vou ver se consigo visaulizá-la com o seu conselho. :))
      Obrigada.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  7. Olá Ana. Não será possível limpar aquela esquadria do muro que aponta às barracas?
    O muro é (foi) importante. O do primeiro plano onde a Ana esperou, escolheu o momento para captar o movimento do protagonista principal. Mil metáforas perfumadas de poesia no nevoeiro dum único olhar, inteiro, certeiro.
    E Barthe é suplemento ou complemento?
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar é possível, Agostinho.
      Ainda não tentei.
      Bj:))

      Eliminar

Arquivo