08/07/2016

Sem título* - GA

Um presente da minha amiga Graça, "pastinhas" da Casa de Infância Doutor Elísio de Moura com poemas que são vendidos na altura da queima das fitas. O dinheiro reverte para a casa que acolhe meninas desde a infância até aos 20 anos. O poema é da Graça.

Flores do campo

da minha janela vejo o vento
que tu não vês
gosto de navegar
no baloiço dos teus olhos
na liquidez das suas palavras
e rio-me
como uma criança inocente
à descoberta do mundo por abrir
sinto o aroma das searas
a entrar-me pelos poros
e escrevo a beleza dos dias tristes
recuso a calmaria das marés
sem gritos e sem pressas
a solidão disfarçada
esse andar devagar
o meu corpo é uma chama ardente
a clamar desesperos poéticos
a poesia é coração
o amor são rosas

Graça Alves 

*Ainda lhe quis colocar um título mas achei que era um abuso.


 

20 comentários:

  1. Um sucesso esta tua participação, ANA !
    Só quero ver depois a votação !

    Muitos parabéns e um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito! Do poema, mas SOBRETUDO DA FOTOGRAFIA! Linda! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do poema e dava-lhe um título :"Despertar". Sou mais atrevida que tu!

    A foto está muito gira:)

    Beijinhos e um bom fim-de-semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo atrevimento, querida Isabel! Adorei, porque foi mesmo um despertar!
      Beijinho grande!

      Eliminar
    2. Isabel,
      O teu título está lindíssimo mas eu optaria por um verso da Graça.
      Obrigada. Um bom fim de-semana.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  4. Que linda fotografia!! Gostei muito do efeito criado.
    Bj amigo. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra.
      Tenho que te visitar e ver as tuas fotos pois tenho andado ocupada e pouco na internet.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  5. Gosto da poesia da Graça Alves,
    porém, este poema tem um encanto muito especial,
    sendo o antepenúltimo verso, um excelente título.
    Admiro muito a ideia e as pastinhas.
    Ótimo fim de semana, Ana.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      Achei graça à sua escolha a minha recairia no penúltimo verso mas confesso que teria dificuldade na escolha entre este e o último verso.
      Um óptimo fim-de-semana.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  6. Olá, querida Ana!
    Obrigada pelo post!
    A foto é maravilhosa!
    Obrigada pela música também e por tudo o resto que já sabes!
    beijinhos :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracinha,
      Eu é que agradeço o teu poema, as pastinhas e a companhia. :))
      Beijinhos. :))

      Eliminar
    2. Graça,
      Escolheria para título os teus versos:"a poesia é coração/o amor são rosas"

      Eliminar
    3. Sim, concordo contigo, pois é essa a chave do poema...explicando...prefiro transformar o desamor em poesia que permanece do que o amor que se desvanece...como as rosas.
      Obrigada mais uma vez
      beijinhos :))

      Eliminar
    4. Graça,
      Adorei a tua explicação.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  7. Gostei qb do desespero poético do poema; o que quer que ele signifique, a imagem assenta. E a foto onde a papoila me parece sobreposição, está bem conseguida. E depois a Ana oferece sempre uma tripla, os violinos casam com o resto. Obrigada. E BFS

    ResponderEliminar
  8. Belo poema. Vida e sentimento que pulsam e se revelam nos versos singelos. Minha homenagem à Graça, a autora, e à Ana, que nos apresenta o poema acompanhado da boa música e da bela foto. Abraços, bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.:))
      Beijinho e bom fim-de-semana, Jane.

      Eliminar

Arquivo