12/07/2016

A partilha...

Sugiro a leitura do livro A Vida Secreta das Árvores, um livro belíssimo sobre a sobrevivência e a vida das árvores. O livro também pode ser lido como uma metáfora da vida. A partilha pressupõe o fim da solidão, a troca de afecto. 
O autor do livro, Peter Wohlleben, é guarda-florestal, apresentador de um programa de televisão e autor de vários livros sobre silvicultura e ecologia. É responsável por orientar no terreno equipas de investigação da Universidade de Aachen.
Agradeço a quem mo deu a conhecer.
Magnólia, Ourém

Retirado da contracapa:

«Acontecem coisas espantosas na floresta: árvores que comunicam entre si (enviando sinais elétricos através de uma rede subterrânea de fungos). Árvores que cuidam não só dos seus rebentos como também dos seus "vizinhos" doentes, velhos ou órfãos.»

***

(...) as árvores compensam entre si forças e fraquezas. Grossos ou finos, todos os exemplares da mesma espécie produzem por folha, com a ajuda da luz, semelhantes quantidades de açúcar. A compensação tem lugar, debaixo da terra, através das raízes. É aqui que aparentemente tem lugar uma troca bem animada. Quem muito tem dá aos outros e quem passa dificuldades recebe assistência.

Peter Wohlleben, A Vida Secreta das Árvores. ( Tradução de João Henriques) Lisboa: Pergaminho, 2016, p. 24.
[Sublinhado meu].


Jardim Botânico, Coimbra da Universidade de Coimbra


Árvore da borracha, Jardim Botânico da U.C.
Raízes, o cérebro da árvore.


12 comentários:

  1. Acabei de procurar na biblioteca por este livro. Há um com o mesmo título em inglês, mas não é deste escritor. Este escritor não aparece no catálogo. Que pena!

    ResponderEliminar
  2. Ele é alemão mas sei que foi editado para UK e para os EUA pela Greystone Books.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  3. Também gosto muito de árvores, pelo que, agradeço a sugestão,
    em meu nome e dos amigos com quem vou partilhar.
    Ótima semana, Ana.
    Grande abraço.
    ~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueci dizer que as fotos estão magníficas...
      Bj

      Eliminar
    2. Majo,
      Penso que vai gostar da forma como está escrito. É uma linguagem interessante e podemos perceber como é que as árvores sobrevivem, podemos ainda ler o que o homem poderia fazer da sua vida.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. As árvores são seres vegetais extraordinários. Fotografei uma flor de magnólia muito parecida com essa :).
    Gosto tanto do livro O Principezinho. Mas o filme...É um livro que nasceu para ser livro e ter para si a duração que só a leitura pode dar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      A magnólia é uma flor muito bonita. O tamanho é extraordinário.
      O Principezinho é um livro intemporal. O filme foi a expressão que escolhi para interagir com este livro. Já é um filme datado. Ainda não vi o filme de animação francês que saiu o Natal passado.
      É uma história bonita de forma que se através do cinema chegar ao grande público, a vontade de ler o livro, é uma mais-valia. Não acha?
      Este filme não é um exemplo, como disse é muito antigo.
      Um abraço!:))

      Eliminar
  5. Sim, têm vida! Secreta talvez, mas como não tê-la se tanta companhia nos fazem de tantos modos? Um beijinho querida Ana. Muita luz neste Verão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Maria João.
      Vamos ver se consigo apanhar a luz. :))
      Beijinho. :))

      Eliminar
  6. Gostei muito dos excertos e das fotos!
    O Petit Prince deu o toque final!
    Obrigada pela partilha!
    beijinhos

    ResponderEliminar

Arquivo