02/07/2016

As Fontes, diálogo


Diálogo, leia-se verso do lado esquerdo, da Sophia, seguido do verso do lado direito. A Sophia que me perdoe.

AS FONTES

Um dia quebrarei todas as pontes                            e    chegarei às águas límpidas
Que ligam o meu ser, vivo e total,                             do amor depurado,
À agitação do mundo do irreal,                                 fresco
E calma subirei até às fontes.                                    tornadas realidade.

Irei até às fontes onde mora                                       a saudade
A plenitude, o límpido esplendor                                encontrarei o amor
Que me foi prometido em cada hora,                          e momento,
E na face incompleta do amor.                                    marcado em cada hora.

Irei beber a luz e o amanhecer,                                   que apanharei
Irei beber a voz dessa promessa                                 que guardarei na memória
Que às vezes como um voo me atravessa,                  e me apunhala
E nela cumprirei todo o meu ser                                natureza íntima.

Sophia de Mello Breyner Andresen, in Poesia I. (Arquivo Casa Fernando Pessoa)


17 comentários:

  1. A poesia de Sophia tem isso: antevê um futuro de realização pura e simples, tão profundo e completo que nos surge límpido e ideal. E eu espero que de verdade ela tenha conseguido ir até às fontes. Quem sabe é onde mora e por isso não veio ainda buscar os momentos que não viveu ao pé do mar. Ou terá vindo, silenciosa e leve. E não demos por ela.

    A sua contraposição é interessante. Mais uma completude, diria. Um sentido pessoal de cada verso de Sophia.
    Um abraço e bom sábado:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Julgo que veio. :))
      Obrigada.
      Um abraço!:))

      Eliminar
  2. Gosto muito de fontes e gostei do post. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto. Estas eram muito giras, havia muitas crianças à volta.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Um excelente trio !
    A Sophia, o Freddie Mercury e a tua imagem com a sucessão dos repuxos !

    ( Eu tenho estado com problemas na net...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João.
      Desejo que os problemas se extingam.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  5. Gostei bastante do teu diálogo com o poema da SMBA:)
    E a foto é muito fresquinha:)

    Um beijinho e um bom domingo:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Isabel.
      Pois é, estava muito calor quando a tirei.
      Beijinho e um bom Domingo!

      Eliminar
  6. Muitos parabéns por este poema intercalado com o de Sophia...
    Ana, espero que encontre depressa as fontes e se refresque nas águas límpidas!
    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia.
      Que saudades de a ver por cá.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  7. Original e um grande desafio à criatividade.
    A foto está muito interessante e o 'post' também.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      Às vezes gosto de fazer estes desafios mas não sei se a poetisa gostaria.
      Obrigada, Majo.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  8. Gostei da conjugação das tuas palavras com as da poetisa :)))
    Adoro Queen...
    A foto é linda...Ourém? Imagino que sim...
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não é Ourém.
      Obrigada, Graça.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  9. Eu tinha comentado o diálogo de fonte clara: Sophia. Todo o poeta espera resposta todo o poema induz pensamento, em todo o verso - face há metáforas e reversos.
    Magnífica foto.
    Bj,Ana.

    ResponderEliminar

Arquivo