20/06/2016

Câmara clara

CÂMARA CLARA
Amadeo Modiglliani 'Head of a Young Girl (detail)
As dunas, o deserto ocre e seco são a
paisagem única  na câmara clara.
Ao longe uma miragem,
resultado da loucura intensa do sol abrasador.
Touaregues nómadas atravessam o Atlas
para vender os seus produtos de prata e cobre.
Os únicos que passam o deserto incólumes.
No mar de areias, a brisa quente e seca,
toca no pensamento e produz oueds
com águas límpidas e cristalinas.
O amor é isto: a fronteira 
entre o deserto e o oued,
a rosa do deserto que brota solitária
na vastidão cruel das areias e que
ora floresce e brilha,
ora se fecha numa concha e adormece.

ana

https://theinkbrain.wordpress.com/2011/08/



22 comentários:

  1. A tua CÂMARA CLARA iluminou-me, Ana !
    As tuas palavras também passam o Atlas e os desertos que surgirem absolutamente incólumes !
    E assim se valorizam.

    Um beijo e parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Obrigada, Margarida.
      Muitos beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Gostei do teu poema e da pintura do Modigliani.

    E então, continuas com muito trabalho?...

    Um beijinho e continuação de boa semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel,
      Obrigada.
      O trabalho ainda continua mas agora começa a desacelerar.
      Beijinho e boa semana. :))

      Eliminar
  4. ~~~
    Um poema diferente, original e muito belo, Ana.

    Gosto sobremaneira do tom sentimental da voz de Villazón
    que parece ficar mais expressiva com a maturidade...

    Eata 'visita' agradou-me muito, Ana.
    Beijinho.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  5. É extraordinária a tristeza fatalista das mulheres que Modigliani pintou.Se tivesse passado no Alentejo o que seria que pintava das expressões carregadas de então...
    A área é sublime, diria que não requer imagem. É bem provável que o amor e a amizade sejam flores do deserto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Achei curioso o que escreveu. Sim, como pintaria ele as alentejanas de então?
      Juntou o amor e a amizade, ainda há bem pouco tempo li, em Régio, a diferença entre os dois sentimentos. É provável que sejam flores do deserto cada uma à sua maneira.
      Boa noite.:))

      Eliminar
    2. Sim, juntei. E sabe porquê? Porque me lembro de ter feito uma amizade e ter assumido a estranheza, qualquer coisa como: "como é que em terra tão árida fizemos crescer uma flor tão bonita como frágil". E quando li o seu poema foi do que me lembrei:).

      Eliminar
    3. Que bonito Bea.
      Desejo que a flor perdure e floresça sempre, mais e mais.
      Boa tarde. :))

      Eliminar
  6. Adivinhou que vou até ao Dubai e que pretendo aventurar-me nas dunas, ana??
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Pedro,
    Boa viagem até ao Dubai.
    Dê-nos uma reportagem, se possível, nunca fui ao Dubai.
    Boas férias.:))
    Beijinho.:))

    ResponderEliminar
  8. O amor é tudo e muito mais.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  9. Clara e distinta, com o toque desafiador dos grandes (es)paç(ss)os. Por esta câmara passa o texto poético apaixonante, ele próprio, fronteira. Onde brota a rosa.

    Bj.

    ResponderEliminar
  10. O poema é Sublime!!!
    O tenor magnífico!
    A condizer a face cândida da rapariga...com laivos de inocência e ingenuidade...como os crentes no amor!
    Beijinhos :))

    ResponderEliminar

Arquivo