25/10/2015

Time Flies

O tempo voa, estamos outra vez a atrasar os relógios, a manipular o tempo.
Contudo, ele ri-se de nós, porque apesar dos ponteiros andarem para trás o tempo biológico avança.


Estação de Caminho de Ferro, Atocha, Madrid

Duy Huynh. Time Flies with Strings Attached,

Duy Huynh. Time Flies with Strings Attached


Tempo

O tempo é um velho corvo
de olhos turvos, cinzentos.
Bebe a luz destes dias só dum sorvo
como as corujas o azeite
dos lampadários bentos.

E nós sorrimos,
pássaros mortos
no fundo dum paul
dormimos.

Só lá do alto do poleiro azul
o sol doirado e verde,
o fulvo papagaio
(estou bêbedo de luz,
caio ou não caio?)
nos lembra a dor do tempo que se perde.

Carlos de Oliveira, in 'Colheita Perdida'
(Citador)


19 comentários:

  1. Pois é...consolamo-nos com a ilusão de que temos mais uma horita!

    Bonita foto!

    Bom domingo:)
    Um beijinho:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma ilusão terrível pois anoitece tão cedo!
      Beijinho e boa semana!:))

      Eliminar
  2. Nunca estive na Estação de Madrid e o relógio é formidável.

    Quando abri o (In)Cultura até pensei que ia ver um Magritte !...

    Um beijo e bom Domingo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João,
      A estação da Atocha é muito bonita. Fui visitá-la há uns anitos mas esta foto é recente, é de Junho, quando fui a Alcalá de Henares, apanhei o comboio na estação.
      Este pintor teve influências nítidas de Magritte. :))
      Beijinho.:))

      Eliminar
  3. Em termos práticos?
    Esta noite temos a sensação que dormimos mais uma horita, o que não deixa de ser simpático, mas depois lá vem o reverso da medalha: anoitecer mais cedo não tem qualquer "simpatia" muito antes pelo contrário.
    O relógio da estação é lindíssimo. Eu e o meu eterno fascínio por relógios:)
    Nem imagina, Ana, mas se passo, por exemplo, por uma ourivesaria que tenha relógios bonitos, daqueles elegantes, com um belíssimo design, sou capaz de ficar a admirá-los imenso tempo, ainda que sejam os mesmos que lá estavam da última vez que lá tinha passado. Há sempre um novo pormenor, um pequeno nada que tinha escapado e me delicia.
    É caso para dizer: cada tonto com a sua mania!:)

    Bom Domingo.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. GL,
      Também adoro ver montras de ourivesaria e ver o design das jóias. Um relógio é uma jóia.
      Compreendo-a. Quanto ao tempo tem toda a razão.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  4. Ana, que bela postagem! perfeita, completa! A foto e a tela, belíssimas! O meu querido João Menéres tem razão quanto a pensar ver um Magritte... Também eu... O poema, reflete bem o que vivemos hoje, em que o tempo escorre por nossas mãos. E a música? Muito boa, diferente, com um mix de étnico, rock, música clássica (violinos?!; sopro?!) Enfim, muito a admirar. Bom final de semana, minha amiga. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jane.
      Um dia destes vou visitá-la, tenho andado cheia de trabalho e com menos tempo para lazer.
      Obrigada pelo gentil comentário.
      Um beijinho amigo. :))

      Eliminar
  5. O relógio da estação é muito bonito, Ana.
    Tenho de mostrar ao meu marido - ele gosta muito de relógios.
    Também gostei muito do quadro.
    Concordo com a GL- anoitecer mais cedo, para mim, também não é simpático: em Novembro, por volta das 16:30, chega a noite, que fica logo bem cerrada. Nestas alturas, deito-me com as galinhas, sobretudo, se o frio apertar.
    Beijinho e Bom Domingo! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sandra,
      Apesar de adorar a noite, gosto que os dias sejam grandes e claros, o que dá para apreciar melhor a noite e o dia. Compreendo perfeitamente o teu sentimento.
      Deitar cedo era para mim terrível. Contudo, julgo que nos países do Norte se cultiva essa cultura e deve ter que ver com o clima, as horas, o dia e a noite.
      Beijinho e boa semana. :))

      Eliminar
  6. E eu a fazer contas para não dar asneira a mandar mensagens para Portugal.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Pedro, a hora muda sempre nesta altura.
      É um horror para nos habituarmos... enfim.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  7. É bem verdade, Ana, o tempo continua sempre... impassível à nossa vontade!
    Quer os ponteiros andem para a frente ou para trás...
    Mera ilusão a nossa, sobre o nosso poder e influência sobre a natureza!

    Magnífico post.
    Um beijinho e boa semana.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia.
      Boa semana.
      Um beijinho. :))

      Eliminar
  8. É verdade Ana. O tempo voa e depressa. Beijinhos! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Margarida,
      Podia ser mais lento para nos habituarmos às mudanças...
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  9. O tempo...
    O fundamental é não ficar a olhar para ele, a esfumar-se. Há tanta coisa para fazer, para viver...!

    Um beijinho, Ana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. AC,
      Tem razão. Às vezes não aproveitamos o tempo e perdemos o melhor que ele tem para nos dar.
      A natureza humana é eternamente insatisfeita.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  10. Maravilha de trabalho, Ana. Parabéns!
    O tempo, sempre o tempo. Como tê-lo se ele se esvai sem se ver? Tempo que dizemos ser nosso e que, afinal, não passa de uma subtil forma de nos enganarmos a nós próprios.
    E, depois, o tempo que faz. Esse, sim, é nosso porque nos é dado graciosamente, sem o pedirmos, cai-nos em cima mesmo que não o queiramos; o que pedirmos tem sempre implícita a negação, o não. Mas é esse o tempo que temos, onde construímos a vida - que não é nossa - e desejamos as fantasias - que são nossas; em cima dele, como nas fotografias: clic!

    Bj

    ResponderEliminar

Arquivo