17/03/2015

Azedas no jardim

Azedas no jardim.

Azedas, belas na sua essência, amargas como o Bloco 31, em Auschwitz, onde uma jovem adolescente tinha a seu cargo a biblioteca clandestina, histórias do livro que ando a ler.

«abrir um livro é como entrar para um comboio que nos leva de férias» (contracapa)


- Esta é a tua biblioteca. Não é grande coisa - disse Hirsch, e olhou para ela de soslaio, para ver que efeito tinha causado.
Não era uma biblioteca extensa. Na realidade, constituíam-na oito livros, e alguns deles em mau estado. Mas eram livros. Naquele lugar tão escuro onde a humanidade conseguira alcançar a sua própria sombra, a presença dos livros era um vestígio de tempos menos lúgubres, mais benignos, quando as palavras falavam mais alto do que as metralhadoras. Uma época que se extinguira. Dita recebeu os livros um a um, com o mesmo cuidado com que se segura um recém-nascido.

António G. Iturbe, A Bibliotecária de Auschwitz. Lisboa: Planeta,  ( tradução de Mário Dias Correia), 2014, p. 39.
[Negrito realçado por mim]. Antonio Iturbe nasceu em Saragoça, é jornalista e entrevistou a protagonista do livro assinalado, Edita Dorachova.


16 comentários:

  1. Cheiro a Primavera.
    Que não se sente em Macau com 100% de humidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Pedro. No entanto hoje choveu. A Primavera ainda não entrou em força. Vamos a ver se a partir de 21 de Março ela cumpre o seu dever.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  2. Ana, um livro a ler, sem dúvida!
    Desconhecia o nome destas flores...

    Um beijinho e boa semana.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia,
      Estou a gostar muito.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  3. Bela fotografia, Ana!
    Comprei este livro na minha última viagem a Portugal, mas ainda não comecei a lê-lo. Será em breve. :-)
    Os livros são bens preciosos.
    Beijinho! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra.
      Estou a gostar muito. Depois diz qualquer coisa.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. Costos das azedas, embora tenham má fama. Concordo inteiramente com a citação, gostei do texto e nem quero imaginar um mundo sem livros, sem imaginação, sem o «comboio que nos leva de férias». Bjns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :)))
      Também acho graça a estas flores.
      Beijinho.

      Eliminar
  5. Terríveis experiências as dessa jovem...
    Os livros é que são (sempre) bons momentos de vida!
    Mas as azedas creio que são boas! E até se faz un 'risotto' com elas...
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que giro, Maria João.
      Desconhecia que se fazia risotto com elas. Deve ser bom.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  6. Deve ser um triste e terrível livro, mas de uma beleza ímpar com tanta poesia que adivinho pelo trecho que nos facultas.

    E magníficas as Azedas nesta tua participação !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, João.
      Obrigada pelas Azedas. :)))
      Beijinho.

      Eliminar
  7. São sempre belos os posts por aqui... Nas citações, nas fotos, na música...

    beijo amigo

    ResponderEliminar
  8. Belas as suas azedas

    da minha infância

    Bj

    ResponderEliminar
  9. Obrigada, Mar Arável.
    Também as apanhei na minha infância.:))
    Boa noite.

    ResponderEliminar

Arquivo