15/02/2016

A arte e a leitura

Recebi o Principezinho, de Antoine Saint-Exupéry, numa edição com anotações manuscritas por José Luís Peixoto e ilustrada por Hugo Makarov, da Expresso/Visão com a tradução de Ana Cunha Ribeiro da tradução: Bertrand, Editora, 2015.
O livro é uma obra de arte como é o do autor da história. As anotações são interpretações pessoais (análise com a qual podemos concordar ou não); nelas encontra-se a história de Saint-Exupéry.
Foi com gosto que reli a história e que li as anotações. Sendo uma nova edição interpretativa faz sentido ter uma nova ilustração, também ela resultado de uma reinterpretação das imagens e do texto. 
Em suma, gostei. Obrigada, Isabel.

O Principezinho, pp. 46 e 47



pp. 48 e 49

Creio que, para a sua evasão, ele terá aproveitado uma migração de pássaros selvagens. (p.49)

pp. 74 e 75
p. 75

Vejam tão novinho!

18 comentários:

  1. A sorte para quem a merece !

    Um beijo muito amigo.

    ResponderEliminar
  2. Ofereceram à minha filha, nos anos dela, uma edição do Principezinho com aplicações para o telemóvel. Ainda não abri as aplicações. E cada vez que releio este livro, continuo a gostar dele, mas acho-o mais triste. Ela, no entanto, gosta muito - e ainda bem, porque é um livro com uma mensagem ética muito bela. Bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que giro, Margarida.
      Não conheço. Engraçado, também achei agora mais triste do que há uns tempos atrás.
      Sem dúvida, é uma mensagem ética belíssima.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Foi dos primeiros livros que comprei e leio-o de vez em quando. Eu que não apeteço reler. Mas não o vou comprar anotado. A sua maior beleza vem dele mesmo a trabalhar em nós. Um obrigada ao meu professor de psicologia que, na aula, conquistou os meus dezassete anos com uma breve passagem.
    O meu principezinho tem que ser o antigo, aquelezinho do cachecol ao vento, meio ingénuo meio terno, de pé no seu planeta minúsculo, uma flor de um espinho só e um vulcão extinto por companhia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bea,
      Tenho algumas edições do Princepezinho. Esta é a mais diferente mas apesar, das anotações, que no início me pareceram estranhas fui entranhando e gostei, porque elas não tiram a minha opinião sobre a história nem a minha interpretação. É interessante ver outra ideia que por vezes até se assemelha à nossa.
      Boa noite. :))

      Eliminar
  5. Um bonito presente, Ana!
    Também gosto imenso da história e por vezes acho que os mais novos gostam mas não alcançam a profundidade da mensagem que o livro nos transmite!
    O Principezinho será eterno!
    Um beijinho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia,
      Sim, é eterno. Concordo com o que diz. Gostei muito.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  6. Ainda bem que gostaste, Ana.
    Normalmente, não gosto de modificações, nem adaptações (politicamente correctas, como por aí anda muito a moda...) aos livros originais, mas aqui achei interessante, uma vez que o texto é o original. Ainda não li o meu.
    Acho que não é uma edição da Bertrand. É uma edição Expresso/Visão.

    É como diz a Cláudia : um livro eterno.

    Um beijinho:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabel,
      Obrigada pela tua dica, fui ver e realmente a tradução é que é a da Bertrand. Já emendei.
      Mais uma vez obrigada. Beijinho:))

      Eliminar
  7. Olá, Ana
    A prenda que a prendada recebeu será, mais do que um simples livro, um objecto valioso que marca uma amizade. Parabéns!
    Deixo, no entanto, uma questão sobre a estratégia editorial de distribuiçao de notas pelas páginas do livro. Não seria melhor um texto prévio (prefácio) do escritor JLP? As notas não condicionarão a leitura, limitando a livre interpretação de cada um?
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agostinho,
      Tem no início do livro uma explicação que começa assim:
      " Uma forma diferente de ler e ver «O Principezinho».
      Foi uma edição para colecionadores de «O Principezinho».
      Admito que haja quem não aprecie, que haja quem ache uma questão de mercado.
      A interpretação de JLP não retira a nossa interpretação, algumas dão informações sobre Saint-Exupéry, outras dão a interpretação dele mas sem sujeição do leitor.
      Bj. :))

      Eliminar
  8. Os mercados não têm fronteiras

    até ser dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não mas também não escurecem o dia.:))

      Eliminar
  9. Prince...lembro-me de fazer e vender rifas e do prémio ser um disco (seria um disco?) dele.
    E a canção é bonita e passou a mensagem. A sua amizade suave afinal só desejava uma chuva roxa sob a qual a sua/seu amiga(o) estivesse. Cheio de bons sentimentos o garoto.
    O mundo está cheio de boa gente. Sem dúvida. Viva!

    ResponderEliminar
  10. Que lindo, Ana! Uma pequena preciosidade! Um dos livros mais puros e bons que se escreveu! Obrigada!

    ResponderEliminar

Arquivo