06/09/2015

Hino à Vida...

A chegada constante de refugiados, a morte de crianças e adultos, a destruição de escolas, as guerras, a fome, a falta de liberdade e tanta violência em nome do poder económico, político e religioso, torna o homem do começo do século XXI tão parecido ao homem do início do século XX e dos seus ancestrais. 
Qual foi a evolução? O que se aprendeu com o passado? 
Nada...

Renoir esculpiu um hino à vida. Um hino que me reconfortou quando visitei a sua 
casa-museu em Cagnes-Sur-Mer.

Pierre Auguste Renoir e Richard Guino -  Modelo de pêndulo: Hino à Vida 
Gesso com patine

Entrada para a Casa-Museu de Pierre Auguste Renoir em Cagnes-Sur-Mer
(Daqui ainda não se avista a casa)



23 comentários:

  1. Estou de novo com o Plug-in bloqueado !
    Mas tenho esperança que nesta tarde de Domingo um técnico meu amigo passe cá.
    Um beijo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desejo que tenha resolvido o problema, João.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  2. Há muita gente boa, infelizmente são os déspotas e os gananciosos que dominam.
    A escultura é linda. Deves ter mais fotos da casa-museu, que fico à espera de ver, pois deve ser um museu interessantíssimo.

    Um beijinho e bom domingo:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Isabel. Gostei muito.
      Um dia destes colocarei.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Dizia Michael Crichton que quem não sabe historia é como uma folha que não sabe que faz parte de uma árvore. A humanidade perdeu o ramo -- e não há a certeza de que o volte a encontrar.

    Um excelente domingo, cara ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite, Xilre.
      Gostei muito da metáfora de Crichton.
      Uma excelente semana.:))

      Eliminar
  4. Ai, Ana, que carentes estamos de hinos à vida! A morte passou a fazer parte do nosso quotidiano, não a morte natural, mas aquela que é causada em nome de absurdos.
    Lindíssima, a escultura.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. GL,
      Senti exactamente o mesmo. De forma que me lembrei deste modelo de Renoir.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. A morte está a banalizar-se, ana.
    E esse é o maior dos dramas.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      Um drama...
      Beijinhos e boa semana.:))

      Eliminar
  7. Não sei que diga que escreva. Eu sinto.
    Tenho os olhos a arder da areia.

    ResponderEliminar
  8. Vivemos tempos trágicos, mas é preciso ter esperança. Quanto à escultura, não conhecia e acho muito bela. Bjns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso, Margarida.
      Também não conhecia e gostei.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  9. Lindas imagens sempre. Sim sempre um Hino à VIda! beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brindemos então à vida e lamentemos os que partiram em busca de paz.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  10. Solidariedade sempre

    mesmo quando não se compreende
    os fazedores de guerras

    Bj

    ResponderEliminar
  11. Mar Arável,
    Não há compreensão possível. No entanto sejamos solidários.:))
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  12. ~~~
    ~ Uma composição bela e tocante, pela sua grande humanidade...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo.
      Este lamento expressa bem o que se passa com os refugiados em massa, a sua fuga e as suas péssimas condições que levam a fins terríveis.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  13. Bela escultura com uma bela mensagem.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Sandra.
      Perante tanta dor, só me lembrei deste hino. Devíamos lutar por ele.
      Beijinhos. :))

      Eliminar

Arquivo