22/09/2015

A Quarta Nota

O livro que comecei a ler para que a música faça parte do dia-a-dia.

Bom dia!

«Senhores Mestres da Música, a Itália já não ouve as excelentes vozes de tempos passados particularmente entre as mulheres e, para grande vergonha dos culpados, vou explicar porquê.»

Pier Francesco Tosi (castrado), Introdução à arte do canto,1723.


Musée des Beaux Arts, Nice

 Caravaggio, Os Músicos, c. 1595, (uma das versões) 
Metropolitan Museum of Art, New York,  retirado da Wikimedia Commons

File:The musicians by Caravaggio.jpg
***

«Cilindro 1

Roma, 10 de Junho de 1914

Chamo-me Moreschi, professor Alessandro Moreschi, até há 
pouco tempo soprano solista e, oficialmente, chefe dos coros da
Capela Sistina. Sou também um castrado, o último sobrevivente, 
ou quase,dessa grande família de cantores, agora 
esquecida mas que conheceu mais de dois séculos de glória em
palco e quase quatro à grandeza de Deus.


Era o parágrafo introdutório da enciclopédia que estava a preparar há mais de dois anos e que devia intitular-se Os Castrados e a Igreja. Título pretensioso, reconheço, mas apreciava a ressonância científica. Por muito tempo, fiquei admirado e também aborrecido por ninguém ter feito o favor de relatar num livro os nossos quatrocentos anos de história.»

Luc Leruth, A Quarta Nota. Tradução de Sandra Ribeiro, Lisboa:Temas e Debates, 2003, p. 9


18 comentários:

  1. Respostas
    1. João,
      Tem som, sim.
      Espero que goste.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  2. Um belissimo post como sempre. De uma grande sensibilidade.
    Abraco

    ResponderEliminar
  3. O livro deve ser interessante. Gosto muito da pintura. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Margarida,
      Comprei-o na feira do livro em Maio e só agora ando a ler.
      É interessante, sim. Ainda estou no início. É uma ficção com alguns dados reais. Farinelli foi baseado nos dados deste professor e soube através de Xilre que a voz do filme é uma mistura de voz feminina com masculina. No prefácio o autor refere estes pormenor. Pensei que era Jaroussky porque o registo de voz dele é tão parecido mas ainda não tinha aparecido (julgo).
      Beijinho. :))

      Eliminar
  4. Na música clássica o mais complexo
    só para virtuais é a fuga

    Gostei como sempre

    ResponderEliminar
  5. ~~~
    ~ A época dos «castratos» também desperta-me muita curiosidade...
    ~ Era uma dupla infelicidade ser menino orfão e cantar muito bem...
    ~ Tempo de trevas...

    ~ Grata por tão bela e generosa partilha...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Beijinho. ~~~
    ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempos difíceis para estes meninos, sim.

      No entanto as vozes eram as de anjos, pena sair tão caro.

      Beijinhos. :))

      Eliminar
  6. As chamadas vozes brancas para a "glória" de Deus. Barbaridades harmoniosas.
    Bom trabalho, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz bem, Agostinho, harmoniosas.
      Boa noite. :))

      Eliminar
  7. Caravaggio é o pintor favorito da minha mulher, ana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então é para a sua mulher com muito gosto.:))
      Beijinhos.

      Eliminar
  8. Respostas
    1. João,
      É pena, pois é uma ária bonita. Esta ópera só conheci através deste livro.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Obrigada, Maria João.
      Vamos ver se este fim-de-semana tenho tempo de visitar todos.
      Beijinhos e saudades. :))

      Eliminar

Arquivo