11/10/2014

cores de Outono




As árvores no Outono despem-se mas não morrem,
o que é maravilhoso.
A vida é um composto de elos tão frágeis.


16 comentários:

  1. A fragilidade da vida, julgo, é essa aparência
    onde a natureza se refugia na nostalgia,
    para depois irromper com a energia
    de uma inesperada Primavera

    Pensei nisso a ouvir Tchaikovsky

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras muito bonitas Rogério.
      Obrigada. :))
      Bom fim-de-semana!

      Eliminar
  2. Perfeito o controle da profundidade campo, ANA !

    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, João.
      As suas palavras são sempre um incentivo.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  3. Bom dia, Ana!
    O termos a noção da nossa fragilidade já é por
    si uma conquista!
    Torna-nos mais humildes; despojados de certas vaidades!

    Um beijinho.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, Cláudia. :))
      Pois é. Neste caso a força da Natureza é grande e encarrega-se de colocar a ordem.:))
      Beijinho.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Obrigada, Margarida!
      Um bom domingo.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  5. Muito gira a foto!
    Bom fim-de-semana:)

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Isabel.
    Dás-me alguma força. :))
    Ando um bocadinho arredada da blogosfera, não leves a mal.
    Beijinho. :))

    ResponderEliminar
  7. A vida e as estações do ano e da vida... O Outono também é a vida, a beleza, a calma dos dias cinzentos, mais curtos já, as folhas que caem, o rumor das folhas no chão quando o vento passa por elas. Gosto tanto!
    A vida pode ser tão bela! No Outono também...
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João,
      Tem razão temos de dar graças à vida.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  8. O outono inventa cores e a Ana inventou uma magnífica fotografia.
    Tchaikovsky um compositor ou_tonal.

    ResponderEliminar
  9. Sempre o Outono trazendo mudanças e sinais.... Ana!

    "Essa coisa que segue. Essa coisa que mata a nossa sede. Essa coisa que nunca é a mesma cada vez que imergimos os pés. Essa coisa que vai levando tudo, que engole os caminhos, cuja profundidade engana e encanta. Essa coisa que, se bobear, nos afoga.
    Você pode estar pensando em um rio.
    Mas eu tô falando mesmo é da vida” (Flávia Brito)

    Linha_de_pedras
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Linha_de_pedras,
      Obrigada pelo poema que trouxe aqui.
      Um abraço!:))

      Eliminar

Arquivo