12/06/2011

Se as pedras falassem...

Se as pedras falassem ouviriamos o canto das monjas de Santa Clara.

Um passeio entre a luz e a sombra.

Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, Coimbra


números e classificação


elos?




O arco ogival em frente às colunas



Bucólica

A vida é feita de nadas:
De grandes serras paradas
À espera de movimento;
De searas onduladas
Pelo vento;

De casas de moradia
Caídas e com sinais
De ninhos que outrora havia
Nos beirais;

De poeira;
De sombra de uma figueira;
De ver esta maravilha:
Meu Pai a erguer uma videira
Como uma mãe que faz a trança à filha.

Miguel Torga, (S. Martinho de Anta, 30 de Abril de 1937)


[retirado da net e perdido o link depois do post recuperado]

klaus Nomi

14 comentários:

  1. Não conheço o mosteiro, mas deve ser um espaço de tranquilidade. As fotografias evocam-no e as palavras de Torga reforçam-no.
    Bom Domingo, Ana! :)

    ResponderEliminar
  2. ana,
    Como deve imaginar, o Mosteiro e Miguel Torga trazem-me grandes e gratas recordações.
    Que revivi agora graças a si.

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito das fotografias e do poema. Bom Domingo!

    ResponderEliminar
  4. Sara,
    Gosto muito deste poema de Torga. Estou a ter problemas em colocar comentarios de novo.
    Bom Domingo!:)

    Pedro Coimbra,
    Gostei desta fotografia e curiosidade,
    Apenas coloquei breves apontamentos sobre o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, nem sequer foram as fotografias mais bonitas, um dia destes coloco umas sobre o conjunto depois do restauro.
    Bom Domingo!:)

    Caro A.
    Obrigada pelo seu comentario.

    Peço desculpa mas nao posso usar assentos!:)

    ResponderEliminar
  5. Pedro Coimbra,
    N~~ao consegui colocar o coment´´ario no seu post. A fotografia foi a que colocou de 1932, n~~ao me refiro as minhas(sem assentos):)

    ResponderEliminar
  6. Maravilhoso!
    Se não se importar, vou surripiar-lhe o Klaus Nomi :)

    Bom Domingo!

    ResponderEliminar
  7. Claro Virginia,
    Fico muito feliz com a partilha!
    Gosto muito de Klaus Nomi que morrreu em 1983 com Sida.
    Cantou primeiro na opera de Berlim e depois foi para Nova Iorque. Tinha uma postura em palco fora do habitual.
    Bjs. :)

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde Ana

    gostei do seu post, e curiosamente esse poema neste momento é especial para mim.
    Acho-o muito lindo.

    Um beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  9. Como gosto desta interpretação de Klaus Nomi! Vou continuar a ouvi-la nesta manhã de domingo.
    Em tempos sabia este poema de cor... agora resume-me apenas aos dois primeiros versos! : (
    Bom resto de domingo. : )

    ResponderEliminar
  10. Isabel,
    Ainda bem que acertei, foco contente que tenha sido bom ler este poema de Torga!
    Bjs, Isabel. :))

    Catarina,
    Muito obrigada, gosto muito de Klaus Nomi. Tentei colocar-lhe um comentario e n~~ao consegui. Nao aceitava a minha conta google.
    Continuo com problemas nos assentos.
    Bjs :))

    ResponderEliminar
  11. Isabel,
    Leia: fico contente.
    Bjs :)

    ResponderEliminar
  12. Que pena!
    Gosto dos seus comentarios!

    ResponderEliminar
  13. Nao conheco nada em PT, Ana, creio esteja falando de PT, pois nao? Viu como até me arrisco num português de Portugal? lol!
    Tô ouvindo o vídeo... você tem um gosto super requintado ;)

    ResponderEliminar
  14. Cris,
    Sim ´´e em Portugal. Tem que vir ca!
    Continuo sem resolver o problema dos acentos.
    Obrigada pelo comentario tao gentil.

    ResponderEliminar

Arquivo