13/04/2011

"A Arte sempre foi isto", em memória de Beckett

Odilon Redon, The Crying Spyder, 1881,


(imagem da wikipédia depois de a ver no blog Sobre o Risco)

A arte sempre foi isto - interrogação pura, questão retórica sem a retórica - embora se diga que aparece pela realidade social.


Samuel Beckett in Novas Cartas (citador)

Samuel Beckett nasceu a 13 de Abril de 1906 em Dublin


INSTANTE

Que faria eu sem este mundo sem rosto sem perguntas
Onde o ser só dura um instante e onde cada instante
Transborda para o vazio o esquecimento de ter existido
Sem esta onda onde por fim
Corpo e sombra juntos se anulam
Que faria eu sem este silêncio poço fundo de murmúrios
Curvando-se a pedir socorro pedir amor
Sem este céu posto de pé
Sobre o pó do seu lastro


Que faria eu eu faria como ontem e como hoje
Olhando para a minha janela vendo se não estou sozinho
A errar e a mudar distante de toda a vida
preso num espaço incontrolável
Sem voz no meio das vozes
Que se fecham comigo.


Samuel Beckett, (tradução inédita de Mário Carvalheira) Retirado do Blog Uma Casa em Beirute


Erik Satie - Gnossienne No.1

11 comentários:

  1. Ana,

    Vou fazer de conta que este post é para mim...posso?posso?;)

    Beijo muito grande

    ResponderEliminar
  2. Bem retirado porque é muito bonito!!

    ResponderEliminar
  3. Magnífico Beckett!!! Beckett vive. :)))))))))





    Jinhos.

    ResponderEliminar
  4. Excelente post.
    Adoro o poema.

    Um bom dia.
    Isabel

    ResponderEliminar
  5. Gostei especialmente da aranha... Não gosto do bicho, mas gosta da pintura. Bj!

    ResponderEliminar
  6. Blue,
    Sim. :)
    Beijo muito grande

    Pedro,
    Muito obrigada!

    JJ
    Beckett vive sim.
    Bjs. :)

    Isabel,
    Também adoro o poema tal como adoro o poeta e escritor.
    Obrigada.
    Um bom dia!

    Margarida,

    Já conhecia este desenho fabuloso, gosto de aranhas em arte e jóias, ao vivo não, mas não me fazem impressão, os ratos sim, ponho-me em cima da mesa!
    Foi bom tê-la cá!
    Bjs. :)

    ResponderEliminar
  7. Gostei especialmente do poema.
    A aranha perturba-me...

    beijinho

    ResponderEliminar
  8. Virgínia,
    Esta aranha é perturbadora mas linda ao mesmo tempo. Julgo que liga bem com Beckett, a sua tristeza, a sua mordacidade.
    Obrigada pela visita!
    Bjs. :)

    ResponderEliminar
  9. Admiro Beckett. Luto contra o absurdo que atravessa a sua obra.

    ResponderEliminar
  10. Há tantos escritores reconhecidamente incontornáveis que transformaram o seu quotidiano num processo de criação inesgotável.
    Para nossa sorte,claro.
    Ainda bem.
    Beckett, F Pessoa, Proust, V.Wolf, José Cardoso Pires, Lobo Antunes, Sophia Breyner, etc. (Claro que estou a omitir muita gente...)
    É ou não excelente termos ao nosso dispor a obra deles como um legado cheio de generosidade?
    Resposta óbvia: SIM!

    Bjs, Ana

    ResponderEliminar
  11. Manuel Poppe,
    Acho Beckett um homem enigmático e talvez seja do que diz, o absurdo da sua obra. Julgo que ele soube viver os instantes.
    Abraço!

    JPD,
    SIM. Que gira a sua ideia de generosidade, nunca tinha pensado que um escritor tinha a generosidade de oferenda da sua obra. É uma perspectiva interessante!

    Bjs.

    ResponderEliminar

Arquivo