29/12/2012

Cartas de amor e "natalices"

Cuido eu que vou apanhar um susto ao ler as Cartas de amor de Fernando Pessoa

1
Quem ama verdadeiramente não escreve cartas que parecem requerimentos de advogado. O amor não estuda tanto as cousas, nem trata os outros como réus que é preciso «entalar» 
Porque não é franca para commigo? Que empenho tem em fazer soffrer quem não lhe fez mal - nem a si, nem a ninguém - (...) 
Reconheço que tudo isto é comico, e que a parte mais comica d'isto  tudo sou eu.
(...)
1.3.1920                                                                                        Fernando Pessoa


Cartas de Fernando Pessoa, (Organização, pósfacio e notas de David Mourão Ferreira). Lisboa: Edições Atica, 1978, pp. 47-48. 

A Cláudia arranjou-me este livro que há muito queria comprar. Obrigada por mo ter reservado. Esta foi a prenda que ofereci a mim própria.

Carinhos que agradeço. :) 
Este ano não tinha anjo na árvore, fora substituído pela estrela, mas ele veio ter comigo.

12 comentários:

  1. Um Natal cheio de "natalices"!
    É bom saber que somos lembrados.

    Tenho as cartas de amor de Ofélia, mas confesso que me desiludiu, o livro. As de Fernando Pessoa não tenho.
    Depois conta se gostaste.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. A música é linda!
    Lembro-me com alguma nostalgia do tempo em que via estes filmes na televisão, que ainda era a preto e branco.
    Gostava imenso de ver. Era o único cinema a que tinha acesso: na televisão.

    ResponderEliminar
  3. Curioso, Ana, dizer que talvez vá apanhar um susto ao ler as cartas de amor de F. Pessoa.
    Apesar de já me terem passado vários exemplares pelas mãos, nunca li e acho que nem possuo a obra. Mas acho que nada nas cartas nos vai mostrar um Pessoa diferente. Pelo contrário. Acho que Pessoa será igual a ele próprio e muito conhecedor de si (dos vários eus).

    Boas leituras!

    Quanto ao vídeo, acho que é intemporal. Sempre agradável de ver e recordar.

    Um beijinho terno.:))

    ResponderEliminar
  4. Isabel,
    As cartas de Ofélia não tenho. Depois de ler as Fernando Pessoa, é natural que ache as de Ofélia menos interessantes. Contudo, são livros que se interligam. Não é? Também gostava de ver estes fiilmes a preto e branco, era um tempo mais calmo, onde tudo era descoberta. :)
    Gostei muito das minhas "natalices" e estou muito agradecida. :)

    Cláudia,
    O FP é o meu maior escritor português. Há muitos que gosto mas ele é incomparável. Uma personalidade multifacetada que até hoje o seu amor, a sua tristeza era literária. Estas cartas são íntimas e assusta-me vê-lo nessa intimidade, por exemplo "bebezinho", um termo que utiliza fez-me impressão, confesso. Amor literário é diferente de Amor íntimo, é aqui que me assusta. Não sei explicar melhor por agora.
    Obrigada por mo ter reservado. Obrigada pela sua presença.
    Beijinhos!:)

    ResponderEliminar
  5. A Ana merece todos os anjos protectores! Feliz Ano Novo e boas leituras!

    ResponderEliminar
  6. Natal é sempre tão bom! Gostei das suas imagens e da arvorezinha de Natal! Ainda este ano pus na minha o seu anjinho...
    Bom Ano!

    ResponderEliminar
  7. Fernando Pessoa é único.
    Estou com umas dores de cabeça tão fortes que não consigo pensar direito.
    Será o peso de um ano a desabar sobre mim ?

    FELIZ ANO DE 2013, ANA.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. Votos de um feliz ano novo, cheio de alegrias, boas surpresas e "presentes" calorosos.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Passei, e deixei uma carta (que não lhe é dirigida (ou será?, saber lá...)

    Todas as cartas de amor são
    Ridículas.
    Não seriam cartas de amor se não fossem
    Ridículas.

    Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
    Como as outras,
    Ridículas.

    As cartas de amor, se há amor,
    Têm de ser
    Ridículas.

    Mas, afinal,
    Só as criaturas que nunca escreveram
    Cartas de amor
    É que são
    Ridículas.

    Quem me dera no tempo em que escrevia
    Sem dar por isso
    Cartas de amor
    Ridículas.

    A verdade é que hoje
    As minhas memórias
    Dessas cartas de amor
    É que são
    Ridículas.

    (Todas as palavras esdrúxulas,
    Como os sentimentos esdrúxulos,
    São naturalmente
    Ridículas.)

    Álvaro de Campos, 21-10-1935

    ResponderEliminar
  10. Muito obrigada, Margarida!:)
    Beijinhos especiais. :)

    Maria João,
    Fico feliz pelo que me conta. :)
    FELIZ ANO NOVO!:)
    Beijinhos. :)

    João,
    É único sim. Sou uma eterna apaixonada. Mas desconheço esta vertente intimista.
    Beijinho. :)

    Puma,
    Às vezes são vagarosos...
    Abraço!:)

    R,
    Muito obrigada. Desejo-lhe um FELIZ ANO NOVO com todos os projetos realizáveis. :)
    Abraço!

    Rogério,
    Obrigada pelo Álvaro de Campos, um outro FP que gosto muito e realmente ele carateriza tão bem as cartas de amor.
    Abraço e um FELIZ ANO NOVO!:)

    ResponderEliminar

Arquivo