17/06/2017

Reflectir

Museo Nacional de Ciencia y Tecnología, Coruña


A língua portuguesa é rica e dolorosa quando quer. Detesto vulgaridades.
Gaja, é calão ou é vulgar?



6 comentários:

  1. Eu diria vulgaridade!

    Esse ser parece ter refletido durante anos e anos...

    Boa escolha musical, como sempre.

    Bom fim de semana, Ana.

    ResponderEliminar
  2. Hoje senti a chuva a cair, revivi o cheiro bom a terra e feno molhados, a gotas salvadoras e frescas. E foi bonito como haver em mim a gratidão. E vê-la ao longe a desmanchar em névoa cinzenta que desce do céu e a terra recebe a mãos ambas, foi apaziguador. Coisa boa que o mundo agradece. E também eu.

    Eu diria que é uma vulgaridade que achincalha o sujeito que diz e aquele a quem é dirigido. E no entanto tenho um amigo que usa esse termo com grande constância e, dito por ele, não me sinto ofendida.

    ResponderEliminar
  3. É vulgar, simplesmente vulgar.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Ana, não gosto mesmo nada deste termo.
    Além de ser vulgar, a meu ver é grosseiro...
    Um beijinho.:)

    ResponderEliminar
  5. Ana, já sabes a minha opinião, acho que tudo depende do modo como é dito e das interpretações que se fazem das palavras. Tenho um casal amigo que chamam gajo e gaja um ao outro de uma forma absolutamente surpreendente. No início achei estranho, agora já não. Acho que encontraram a forma certa entre eles de dizer amo-te. E olha que se amam deveras! E, já agora, o tradicional "amo-te" não será uma palavra vulgar? E será verdadeira em certos casos quando dita?
    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Não gosto da palavra, mas creio que tem alguma origem não vulgar. Mas há tantas palavras que até são eruditas e eu não gosto delas que nem me atrevo (é o caso de facécia, por exemplo)... Beijinhos!

    ResponderEliminar

Arquivo