30/01/2018

"Era bondoso"...

Uma Recordação de Infância de Leonardo da Vinci é um livrinho de Sigmund Freud; comprei-o na Livraria Lumière, foi escrito em 1910, e está a cativar-me imenso. Talvez, agora, consiga compreender melhor este grande humanista.

Leonardo da Vinci, A Virgem, o Menino e Santa Ana, c.1513, Museu do Louvre
Imagem da wikipédia

Era bondoso e amável para com todos, segundo se dizia, recusava a alimentação à base de carne por se considerar injusto tirar a vida aos animais, e dava-lhe particular prazer restituir à liberdade os pássaros que comprava no mercado*.

Sigmund Freud, Uma Recordação de Infância de Leonardo da Vinci. (Tradução Maria João Pereira)  Lisboa: Círculo dos Leitores, 1990, p. 17

Citação de * E. Müntz, Leonardo da Vinci, Paris, 1899, p. 18. ( Um a carta de um contemporâneo dirigida a Médicis e escrita da Índia alude a esta particularidade de Leonardo Segundo Richter: The literary works of Leonard daVinci.)


16 comentários:

  1. De vez em quando também vou (re)descobrir coisas que andavam perdidas nas prateleiras lá de casa.
    E sabe bem voltar a encontrá-las.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      Há relíquias que o são sempre.
      Beijinhos , Bom ano Chinês. :))

      Eliminar
  2. Da Vinci é um gênio. Vê-lo como uma criança afável é um novo aspecto que, confesso, não conhecia. para completar a delicadeza da postagem, só poderia ser Chopin. Maravilhoso. Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Jane.
      Gostei do livro.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Margarida,
      Achei interessante a visão de Freud e aprendi umas coisas sobre Leonardo. Porem, não concordo inteiramente com Freud.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  4. Uma alegria, sem dúvida, quando nos vem parar às mãos delícias dessas. É através delas que, quantas vezes, ficamos a conhecer melhor aquele que já admirávamos, mas de forma mais pobre.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, é apenas uma visão. Aprendi, mas não concordo inteiramente com tudo o que professa Freud com alguma cientificidade, a possível.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  5. Boas leituras, Ana!
    Beijinhos e bom fim-de-semana.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cláudia,
      Que me trouxe este livro.
      Beijinho:))

      Eliminar
  6. A música é linda. Mesmo.
    Da Vinci era um génio. Bondoso, pelos vistos.

    ResponderEliminar
  7. Nunca tinha associado Leonardo da Vinci à infância. O texto que a Ana transcreve é revelador de uma personalidade que veio a ser ímpar.
    Interessantíssimo.

    Estou de volta após um período de incerteza. O "sismógrafo" deixou-me inquieto. Sinto-me melhor, agora.

    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom Agostinho,
      Também tenho andado mais afastada.
      Ainda bem que tudo está a correr melhor.
      Beijinho.:))

      Eliminar
  8. Da Vinci nos surpreende por suas diferentes aptidões! Um gênio, uma alma além do seu tempo que não conseguimos dimensionar em sua totalidade. Essa particularidade, como criança amável e bondosa é nova e pouco explorada. Ricas informações que se completam com a beleza e harmonia de Chopin! Abraços, bom domingo.

    ResponderEliminar

Arquivo