11/08/2017

Leituras de Verão - "O Que Falta ao Mundo para Ser Quadro"

O Que Falta ao Mundo para Ser Quadro é um livro de Rosa Alice Branco, um livro de 1993, com alguns anos, mas não ultrapassado. 

O livro foca a percepção, o olhar sobre a Arte e a linguagem da arte ao longo de algumas correntes artísticas. 
Uma das passagens do livro revela que Kandinsky desenvolveu na sua obra, Do Espiritual na Arte (1912),  "a ideia de que a obra de arte deve ser profética, na medida em que sendo filha do seu tempo deve realizar-se para a frente, por antecipação e para cima, em viagem, tentando alcançar o vértice do triângulo espiritual."

Gostei especialmente deste excerto, o tempo, esse grande peso que é para o homem, o tempo que produz os seus efeitos, o tempo que mostrei numa postagem sobre a Figueira da Foz. Ele sempre ele a marcar o ritmo.

Também o livro tem o seu tempo, foi produzido segundo as ideias em voga e a ciência do momento, mas ele é intemporal.
O livro é um estudo filosófico sobre a percepção, a ilusão e o objecto da arte.

Achei deliciosa a capa, ou seja a escolha ter recaído sobre um quadro de Magritte, A Condição Humana, (1933). 
Arranjei o livro na Livraria Lumière.

17 comentários:

  1. Pelo menos a capa do R.Magritte é jáuma sedução.
    Beijo amigo, Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A capa é, João, o livro também.
      Beijinhos.:))

      Eliminar
  2. Por estes dias o Mundo está a revelar um quadro de muito mau gosto :(
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro,
      É bem verdade. A Coreia do Norte, ... o Médio Oriente..., os fogos no nosso país de mão criminosa.:((

      Beijinho.:))

      Eliminar
  3. Gosto muito de Kandinsky e julgo que devo gostar desse livro. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Margarida,
      Julgo que apreciará.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Falta muito, falta tanto para fazer ...
      Boa tarde.:))

      Eliminar
  5. Tem uma capa inspirada e inspiradora. Muito boa de ver. Falta-me a percepção do tacto, do cheiro e, até, do som do folhear do papel.
    Kadinsky parece-me ter razão. Há Arte e arte. E há o jeito da imitação que nunca poderá romper, chegar ao cume.
    Fiquei com a nota para ver se encontro, se experimento (agora dizem experiencio) em plenitude os sentidos.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho.
      Penso que gostará.
      Beijinho. :))

      Eliminar
  6. Excelente apresentação de um livro que creio ser muito interessante.
    Como habitualmente, aspira-se bom gosto por aqui...
    Beijinhos, Ana.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Majo,
      Deveras interessante.
      Obrigada.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  7. Ana,
    E o tempo de férias é pouco para o muito que se deseja ler!
    Pelos vistos a escolha do livro foi acertada...
    Beijinhos.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cláudia,
      Agora ando a ler Cartas do Tibete de um jesuíta.
      Outra perspectiva do mundo mas também interessante.
      Beijinhos. :))

      Eliminar
  8. Há uns anos li uns poemas de Rosa Alice Branco, mas não conheço este livro que vou tentar espreitar.
    Gosto muito de Kandinsky e de Magritte. E de Matt Pokora.
    Bom dia! Boas férias!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MR,
      Não sabia que escrevia poesia.
      Gostei muito deste livro.
      Obrigada.
      Beijinho.:))

      Eliminar

Arquivo