06/09/2016

In vino veritas


In vino veritas**,                                                       René Magritte, La Corde Sensible, 1960 cortesia da internet *
Resultado de imagem para magritte

Caio Plínio tinha razão,
a verdade está no vinho divino,
quando o seu perfume nos toca
a alma torna-se leve.

O choro brota seco sem lágrimas.
O rio corre, sem pressa, lento, 
serpenteia a montanha, ao sabor do vento,
cantando o Cântico dos Cânticos.

O cenário é rosa envelhecido
e rivaliza com o terra de siena.
O pintor retrata a paisagem em tons suaves,
quentes... mas vazios.


No centro da tela um circulo aberto esbate-se de forma concêntrica,
perde-se no espaço, transforma-se num pequeno ponto.
O rosa avermelhado aumenta ou diminui 
consoante o perfume do vinho.

O Jardim das Delícias brilha em cores psicadélicas.
É a nave dos loucos, criadores?
É criação fictícia, luxúria da mente e da carne.
Inferno, é a realidade após o sono.

In vinus veritas
repousam os pincéis,
as telas, as folhas brancas, vazias 
e as penas pousadas ao lado dos tinteiros.

In vinus veritas
a cabeça cai sobre a mesa,
os olhos fecham-se
e o amor torna-se sofrimento.

ana, 
5-09-16

** In vino veritas, in aqua sanitas (No vinho há verdade, na água a saúde), frase provável de Caios Plínio, o Velho.

*« Le nuage qui caresse un verre plus que ce verre ne le retient, que la proximité des montagnes libère plus qu’elle ne l’enferme, mène avec la douceur, la tendresse d’une main amoureuse, à une évidence finale. »

Louis Scutenaire daqui


17 comentários:

  1. Vamos à saúde e que o resto se escafenda:)

    ResponderEliminar
  2. "La corde sensible" de Magritte, bebe as palavras da poesia:)
    Boa Tarde

    ResponderEliminar
  3. Um néctar para ser apreciado e doses mínimas,
    porque é muito feio, quando as verdades se soltam.

    O poema está de uma boemia interessante e brilhante...
    Há momentos assim...

    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
  4. Um clip prodigioso a ilustrar a música de uma grande banda!
    O teu poema soberbo encaixa!
    "Não chores"
    beijinhos

    ResponderEliminar

  5. "In vinus veritas
    repousam os pincéis,
    as telas, as folhas brancas, vazias
    e as penas pousadas ao lado dos tinteiros."
    Esquecer, divagar, ser outro...
    Gostei. E muito delicada e aérea 'corda sensível' e do Gun'roses.

    ResponderEliminar
  6. "se o vinho é o sangue de Cristo..."
    (e mais não digo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuel Veiga,
      e sem mais ser dito.
      Boa noite!:))

      Eliminar
  7. Já aqui tinha vindo duas ou três vezes, sem comentar.
    Fiquei indeciso, na nuvem. Premonição? In Vino Veritas.

    Bj

    ResponderEliminar

Arquivo