01/12/2018

"Ó ditosa ventura!"

Noite Escura
Em uma Noite escura,
com ânsias em amores inflamada,
ó ditosa ventura!
saí sem ser notada,
estando minha casa sossegada.

A ocultas, e segura,
pela secreta escada, disfarçada,
ó ditosa ventura!,
a ocultas, embuçada,
estando minha casa sossegada.
Em uma Noite ditosa,
tão em segredo que ninguém me via,
nem eu nenhuma cousa,
sem outra luz e guia
senão aquela que em meu seio ardia.

Só ela me guiava
mais certa do que a luz do meio-dia,
aonde me esperava
quem eu mui bem sabia,
em parte onde ninguém aparecia.
Ó Noite que guiaste!,
ó Noite amável mais que a alvorada!,
ó Noite que juntaste
Amado com amada,
amada nesse Amado transformada!


No meu peito florido,
que inteiro para ele se guardava,
quedou adormecido
do prazer que eu lhe dava,
e a brisa no alto cedro suspirava.
Da torre a brisa amena,
quando eu a seus cabelos revolvia,
com fina mão serena
a meu colo feria,
e todos meus sentidos suspendia.

Quedei-me e me olvidei,
e o rosto inclinei sobre o do Amado:
tudo cessou, me dei,
deixando meu cuidado
por entre as açucenas olvidado.
São Jão da Cruz, Transcrito de Poesia de 26 Séculos, (Tradução de Jorge de Sena) Coimbra: Fora do Texto, 1993.

6 comentários:

  1. Interessante a tua imagem, Ana.
    Fiquei maravilhado com a genial e divertida ( é mesmo o caso ) destes quatro pianistas à volta dos Concertos de Bach !
    Quem poderá não ficar "agarrado" à sua interpretação ?

    Um beijo e um obrigado por estes momentos fantásticos com que nos brindas.

    ResponderEliminar
  2. Até me esqueci de referir a beleza poética contida em Ó DITOSA VENTURA ! numa "tradução" primorosa de Jorge de Sena !

    Outro beijo ( por bem merecido ).

    ResponderEliminar
  3. Dois grandes mestres: Bach e S. João da Cruz. Obrigada. Bom Domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Bea.
      Seja sempre bem-vinda, apesar das minhas ausências. :))

      Eliminar

Arquivo